Sharapova vence na volta às quadras após 15 meses de suspensão por doping

Maria Sharapova, no WTA tennis Grand Prix em Stuttgart, na Alemanha, no dia 26 de abril de 2017

A estrela russa Maria Sharapova voltou nesta quarta-feira a competir, após 15 meses de suspensão por doping, com uma vitória diante da italiana Roberta Vinci (7-5, 6-3), na primeira rodada do torneio de Stuttgart.

A ex-número 1 do mundo pôde participar do torneio, disputado em saibro e que já venceu três vezes na carreira, graças a um convite da organização, apesar das críticas das outras jogadoras do circuito.

"Esperei por este momento por muito tempo. É a melhor sensação do mundo poder entra em quadra. Faz parte de mim desde que era criança e foi muito especial", declarou a russa após a partida.

Sharapova foi suspensa após ser pega em um exame antidoping por uso de meldonium. O último torneio que havia disputado foi o Aberto da Austrália, em janeiro de 2016.

Nervosa no início do jogo, perdendo os dois primeiros games cometendo diversos erros não forçados, Sharapova foi pouco a pouca tomando confiança e adquirindo ritmo de jogo.

Diante de uma adversária experiente, a russa finalmente recuperou a calma e conseguiu reverter o placar, vencendo o primeiro set em uma hora de jogo. Com 5 a 5, conseguiu quebrar providencialmente o saque de Vinci, antes de sacar com força e garantir a parcial.

No segundo set, sem cometer os erros do início do jogo, comandou a maioria das trocas de bola até fechar a partida, soltando seu famoso grito ao marcar o último ponto.

"Foi meu primeiro jogo em muito tempo, mas quando chega a hora você bloqueia todo o resto. Sou competitiva por natureza, até quando as coisas não funcionam", analisou a russa.

- Rolando Garros no horizonte -

"Eu fico no melhor momento quando esqueço de tudo, sou eu mesmo e só preciso competir", completou.

Número 1 do mundo aos 18 anos de idade, Sharapova conquistou 35 torneios WTA na carreira, entre eles cinco Grand Slams.

Num primeiro veredito, a russa de 30 anos foi suspensa de todas as competições por dois anos pela ITF. A suspensão acabou sendo reduzida para 15 meses pelo Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), que reconheceu que a tenista não teve a intenção de burlar o sistema.

Sharapova fazia uso há anos de meldonium, até então permitido, mas o medicamento acabou entrando na lista de substâncias proibidas da Agência Mundial Antidoping (Wada) em janeiro de 2016.

A russa dará sequência à caminhada em Stuttgart enfrentando na segunda rodada a compatriota Ekaterina Makarova, nesta quinta-feira.

"Vai ser difícil, mas cada jogo é importante para mim agora", declarou.

No horizonte de Sharapova está a possibilidade de disputar Roland Garros. O presidente da Federação Francesa de Tênis (FTT), Bernard Guidicelli, afirmou nesta quarta que decidirá no dia 16 de maio se concede ou não um convite (Wild Card) à russa para que dispute o Grand Slam parisiense.

Antes de Roland Garros, a russa já recebeu convites para disputar os torneios WTA de Madri e Roma.