Presidente do Sevilla diz que Sampaoli só sai com multa rescisória sendo paga

Sevilla (Espanha), 3 mai (EFE).- O presidente do Sevilla, José Castro, garantiu nesta quarta-feira que o clube não pretende liberar de graça o técnico Jorge Sampaoli, caso aconteça acerto para que ele comande a seleção argentina.

"Ele tem mais um ano de contrato, então, se alguém quiser levá-lo, terá que pagar a cláusula. Ou paga, ou não há nenhum tipo de negociação", garantiu o dirigente, durante evento organizado por uma torcida organizada do clube espanhol.

A multa rescisória, que qualquer equipe ou seleção terá que pagar para contar com Sampaoli antes do término do vínculo é de 1,5 milhão de euros (R$ 5,2 milhões).

José Castro garantiu que a única preocupação que tem no momento é que Sampaoli "continue trabalhando para conseguir os nove pontos em disputa nas últimas três rodadas do Campeonato Espanhol.

Apesar disso, o dirigente admitiu que a direção do Sevilla "não deixa de trabalhar" na pesquisa de possíveis jogadores e técnicos para o futuro.

"Se a AFA (Associação de Futebol Argentina) ou quem quer que seja, vir a pagar a cláusula, o Sevilla não irá ficar parado", disse o presidente do clube. EFE