Sete infartos e 'Voz do Boxe': Conheça o narrador que deixou herança bilionária a filho desconhecido

LANCE!
·2 minuto de leitura


Um exame de DNA comprovou, neste sábado, que o segurança de estádios de futebol na Inglaterra Simon Edwards é filho de icônico narrador de boxes Bob Sheridan, que participou de transmissões lendárias de atletas nos Estados Unidos, como Muhammad Ali, Mike Tyson e Evander Holyfield. O segurança se tornou único herdeiro de R$1,5 bilhão. Após sofrer sete infartos e ficar conhecido de "Voz do Boxe", Bob era um dos maiores nomes da comunicação no país.

+ Carioca, Paulistão e mais! Veja como anda as tabelas dos estaduais pelo Brasil

Com quase 50 anos na profissão, Sheridan se notabilizou por transformar o boxe em um grande espetáculo ao público. Pugilistas do nível de George Foreman, Joe Frazier, Mike Tyson, Evander Holyfield e Muhammad Ali ficaram notabilizados na voz do locutor, que contou com os atletas em lutas que são lembradas até os dias de hoje.

Segundo dados do Uol, foram mais de dez mil combates transmitidos, sendo que 999 foram por títulos mundiais, e 100 destes de peso pesado. Com Muhammad Alli e George Foreman, o título mundial em 1974, conhecida como a disputa "Rumble in the Jungle", apontou com a voz de Bob a vitória por nocaute de Alli. As lutas entre os pesos pesados auxiliaram o narrador na fama.

Em 2016, em entrevista para "New Zealand Herald", Bob contou que um dos momentos mais emocionantes da carreira dele foi pouco antes da luta histórica entre Mike Tyson e Evander Holyfield, na revanche de 1997. A disputa, que ficou marcada por uma mordida de Tyson, teve contornos ainda mais dramáticos.

- Eu tive sete infartos, inclusive um antes da luta de Tyson. Fui para o hospital, e eles fizeram uma angioplastia. Mas aquela era uma luta enorme, e eu não queria perder. Eu fui para a luta, narrei, vi Mike arrancar uma parte da orelha de Evander, e então voltei para o hospital em uma ambulância - contou ele.

Como revelou o portal britânico "The Sun", o segurança, que foi adotado ainda criança, descobriu que a mãe biológica morreu em 1985 e soube da identidade do pai pelas tias de sangue, que afirmaram que ele era fruto de um breve relacionamento da mãe com o narrador, que nunca soube da existência do filho. Agora, a bagatela de R$1,5 bilhão ficará na mão do filho desconhecido.