Serena Williams chora e abandona entrevista após perder para Osaka

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quando Serena Williams, 39, venceu seu 23° título de Grand Slam, no Australian Open de 2017, parecia questão de tempo para ela ao menos igualar o recorde histórico de 24 da ex-tenista australiana Margaret Court, 78. Nesta quinta-feira (18), novamente na Austrália, Serena perdeu nas semifinais para a japonesa Naomi Osaka, 23, por 6/3 e 6/4, em sua 11ª tentativa frustrada de igualar a marca. Ao sair da quadra, acenou num gesto de agradecimento ao público de Melbourne. Questionada por uma repórter se isso poderia representar uma despedida do torneio, ela se emocionou e chorou. "Se algum dia eu disser adeus, eu não contaria para ninguém", respondeu a tenista de 39 anos, ainda com algum senso de humor na entrevista coletiva após a partida. Seu semblante, na sequência, se fechou. Outro repórter relembrou a boa performance nas partidas anteriores e perguntou se a derrota havia sido só um dia ruim. "Eu não sei", disse ela, segurando o choro. "Já deu", completou, e deixou a sala de supetão. Meses após a vitória de 2017, Serena revelou que na ocasião do título já estava no início da gravidez. Ela se afastou das quadras para dar à luz Alexis Olympia Ohanian Jr, em setembro daquele ano. Ela voltou a jogar um Slam no ano seguinte, em Roland Garros, desistindo antes do jogo de oitavas de final por lesão. Também em 2018, ficou com o vice-campeonato em Wimbledon e no US Open (após perder para Osaka). Em 2019, foi novamente vice nesses dois torneios, além de chegar às quartas de final na Austrália e na terceira rodada na França. Em 2020, acumulou uma eliminação na terceira rodada no Australian Open, outra na segunda em Roland Garros e chegou às semis nos Estados Unidos. Na partida desta quinta, Serena não conseguiu repetir o bom desempenho que teve nas rodadas anteriores. Foram 24 erros não forçados, algo que ela mesmo admitiu ter feito a diferença na derrota. "Honestamente, houve momentos em que eu poderia ter vencido. Poderia ter aberto 5 a 0 [no primeiro set]. Eu simplesmente errei muito", afirmou. "Não foi como se eu estivesse correndo, foram simples, erros simples. Foi um grande dia de erros para mim." Difícil dizer se a frustração de Serena foi por ela se sentir, com 39 anos, cada vez mais próxima da aposentadoria; ou se pela 11ª tentativa frustrada de empatar o recorde de Slams; ou ainda por perder novamente para Naomi Osaka, apontada como principal candidata a sucedê-la como grande nome do esporte e com quem nutre relação de admiração mútua pelo que fazem dentro de fora das quadras. O atual número um do mundo entre os homens, Novak Djokovic, se solidarizou: "Quando você persegue grandes feitos relacionados à história do esporte, obviamente tem um muito peso, muita pressão", disse após garantir sua vaga na final nesta quinta.