Sem tomar gol pela primeira vez na temporada, mas pouco criativo, Vasco deve se adaptar às circunstâncias

·1 minuto de leitura


Há ponderações. Há justificativas. Mas tudo é válido. O Vasco teve atuação ofensiva abaixo do razoável, como há tempos não se via. Só que não levou gol, como ainda não havia ocorrido nesta temporada. E venceu, o que é mais importante. São todos marcos para os quais é preciso ter atenção e entender para a sequência da temporada.

Por que o time criou tão pouco? O gramado ruim do Estádio Nilton Santos é uma justificativa não só para o desempenho do Cruz-Maltino, mas do jogo em si. Contudo, a ausência de Marquinhos Gabriel foi sentida. E isso é um problema por três razões: não há substituto no elenco, haverá outros gramados ruins na Série B e Marquinhos Gabriel ainda não tem data para retorno.

E por que o time, finalmente, conseguiu passar um jogo sem sofrer gol? É evidente que a fragilidade ofensiva do Botafogo é uma razão, só que isso já era sabido tanto por Marcelo Cabo quanto por Marcelo Chamusca. O técnico do Glorioso afirmou, antes da partida, que a escolha por Rafael Navarro foi para tentar alguma vantagem física.

-> Confira a tabela do Campeonato Carioca

E o Cruz-Maltino conseguiu limitar as ações do adversário. O melhor escape que havia no rival, Ronald mais Warley, gerou um cartão amarelo a Zeca. O time conseguiu se virar ainda assim.

Todas as situações acima vão se repetir na Série B do Campeonato Brasileiro: gramados ruins, desfalques importantes, cartões amarelos limitadores, times mais fortes, times mais fracos. O que o Vasco precisa é se adaptar o suficiente para produzir mais, independentemente da circunstância. E mostrar que existe evolução defensiva independentemente da qualidade do rival deste domingo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos