Sem temer fracasso, Albon pede tempo para "dar resultados que a equipe merece"

PEDRO HENRIQUE MARUM


Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A instabilidade recente ajudou Alexander Albon a lidar com o moedor de carne que é o sistema da Red Bull a partir da chegada à Fórmula 1. Foi o que o tailandês afirmou durante entrevista em Interlagos nesta quinta-feira (14). Mas, no fim das contas, avisa que só se chega ao máximo do desempenho possível com tempo de casa. 

Apenas nos últimos 12 meses, Albon foi de piloto da Fórmula 2 para a Fórmula E para a Toro Rosso na F1. Em pouco mais de meia temporada, para a Red Bull. A instabilidade de uma carreira que já tinha visto a demissão da academia de pilotos da fábrica austríaca, anos atrás, ensinou algumas lições. 

"Acredito que a instabilidade fez com que eu não ligasse para isso. É o sentimento que eu carrego de que, mesmo que as coisas deem errado, vai ficar tudo bem. Pode parecer estranho, mas é isso. Eu não tenho medo do fracasso e acho que me ajudou. Carrego isso comigo durante o ano", afirmou.

Alexander Albon (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)


Ao GRANDE PRÊMIO, declarou que a chegada à Red Bull criou uma certa insegurança, apesar de acreditar que seria competitivo. Mas o nível mais alto de resultados, diferentemente, apenas com tempo de casa.

"Você nunca vai se sentir totalmente seguro antes de guiar o carro pela primeira vez, isso não existe, é impossível. Mas foi bastante natural [a transição]. Claro que, conforme você vai se sentindo mais confortável na equipe, a velocidade melhora. É aí que a performance vem e você se sente confortável para dar ao time os pontos e os resultados que ele merece", disse. 

"É mais ou menos continuar o que eu tenho feito. Não acho que tenha mudanças na abordagem. Na minha cabeça, penso em melhorar, conhecer a pistas e ficar preparado para a temporada que vem", seguiu. 


Perguntado, sobre a diferença entre chegar à Toro Rosso e à Red Bull, minimizou.

"É uma sentimento semelhante, um processo de parecido para pensar também. Queria saber como eu ia me comparar com os adultos, foi mais ou menos o mesmo que eu pensei no começo da temporada. É uma daquelas coisas que some quando você entra no carro e começa a pensar no trabalho", finalizou. 


GRANDE PRÊMIO cobre in loco o GP do Brasil com os jornalistas Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Flavio Gomes, Gabriel Carvalho, Gabriel Curty e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe todo o noticiário aqui e tudo dos bastidores e das atividades em pista AO VIVO e em TEMPO REAL



Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo


O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.


Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.







Leia também