Sem Pérez, F1 terá recorde de quase 51 anos quebrado em Silverstone

·1 minuto de leitura

Muito se fala sobre a definição de uma categoria efetivamente mundial, quando o assunto é o calendário da F1 atual, após os cancelamentos dos GPs do Canadá, Estados Unidos, México e Brasil, restando à categoria correr na Europa e na Ásia na parte final da temporada.

A Covid-19 também trouxe outra raridade à tona neste fim de semana em Silverstone, palco do GP da Grã-Bretanha de 2020. Com a ausência de Sergio Pérez, pela primeira vez, desde o dia 3 de agosto de 1969, a F1 não terá um representante sequer da América Latina no grid de largada.

Leia também:

Pérez coloca teste positivo de Covid como "um dos dias mais tristes da carreira" e explica viagem ao México F1: Pérez deve perder GP dos 70 Anos por normas de quarentena do Reino Unido; entenda

A data em questão foi o GP da Alemanha de 1969, nos 22.835 km do antigo traçado de Nurburgring, em que o único representante do continente, o mexicano Pedro Rodríguez não participou, já que a Ferrari decidiu se retirar por ser contra a presença dos carros da F2 no mesmo evento. O neozelandês Chris Amon, também da escuderia, não correu.

A pole e vitória ficaram com o belga Jacky Ickx, que superou Jackie Stewart em 57 segundos. Bruce McLaren fechou o pódio, recebendo a bandeira quadriculada 3min21s depois do vencedor. Outros tempos, mas com algo em comum.

Racing Point e Red Bull lideram, Hulkenberg vive saga para voltar à F1 e Drugovich é pole na F2

PODCAST: Bastidores do futuro do GP do Brasil e os ambientes de F1 favoritos de Reginaldo Leme

Your browser does not support the audio element.