Sem Neymar, sem problema? Ausência do craque brasileiro não foi sentida no clássico

O clássico era de fundamental importância. O Barcelona precisava da vitória de qualquer maneira para seguir vivo em La Liga e com chances de salvar a temporada. No entanto, o Barça precisaria conseguir o triunfo sem Neymar, uma de suas principais estrelas.

Mesmo ainda ofuscado em muitos momentos por Messi, Neymar já aparecia com ainda mais destaque na temporada atual no Barça. Entre vários momentos, se destaca sua atuação de gala no milagre contra o PSG pela Champions League, quando ele liderou e comandou o time na virada inesquecível no Camp Nou.

Pela importância de Neymar na equipe, como o principal garçom e criador de jogadas dos Blaugranas, e peça letal pelo lado esquerdo com velocidade, habilidade, agressividade e sendo muito vertical, e pela necessidade de vitória, muito se temeu pela ausência do craque no dérbi.

Para o lugar do brasileiro, Luis Enrique, como de praxe quando alguém do trio MSN está poupado ou indisponível, escolheu Paco Alcácer. O ex-jogador do Valencia é um centroavante e tem características bem diferentes de Neymar, mas é o principal reserva para o trio sul-americano.

Paco Alcacer Barcelona Malaga LaLiga 19112016

(Foto: Getty Images)

Será que o Barça conseguiria a vitória sem seu camisa 11?

Pois o triunfo veio com a atuação inesquecível de Lionel Messi e sem Neymar fazer falta.

É claro que as coisas seriam diferentes com o craque brasileiro em campo e não dá para imaginar como seria o jogo com o número 11 azul-grená no gramado.

No entanto, pelo resultado e pela atuação blaugrana, a ausência de Neymar não foi um problema.

Confira os números do jogo:

O Barça criou boas chances de gol. Luis Suárez, por exemplo, perdeu duas ótimas oportunidades, parando em grandes defesas de Keylor Navas.

Além de criar oportunidades e fazer um bom jogo, cardíaco e muito emocionante e bem jogado com o Real, o Barça teve mais posse de bola e trocou mais passes.

A vitória importante no dérbi veio com show de Lionel Messi, daqueles para mostrar que ainda existe uma diferença entre os craques e o argentino ainda está um nível acima. Sem sombra de dúvidas, Neymar será o melhor do mundo no futuro e é o grande herdeiro de Messi. No entanto, ele ainda precisa evoluir em alguns quesitos. Um deles, seu temperamento. Pelo pavio curto, Ney já perdeu a reta decisiva da Copa América no Chile, o último El Clásico e criou várias polêmicas.