Sem Mané, saiba três jogadores que podem levar Senegal à classificação

Senegal não tem seu principal jogador Sadio Mané e ainda estreou com derrota na Copa do Mundo. Nesta sexta, às 10h, enfrenta o Catar sem poder pensar em outro resultado que não seja a vitória. Para isso, vai precisar mostrar que o potencial da equipe vai muito além do camisa 10. Mas como talentos não faltam a atual campeã africana, O GLOBO lista outros três nomes que podem conduzir a seleção à classificação.

Tabela da Copa do Catar 2022: Acompanhe os resultados de todos os jogos e a classificação

Copa, cabelo & bigode: Você reconhece um jogador olhando os cabelos?

Kalidou Koulibaly (zagueiro)

Koulibaly é certamente o terceiro jogador mais midiático da equipe depois de Mané, cortado da Copa, e do goleiro Edouard Mendy, que falhou nos dois gols da derrota para Holanda. O zagueiro chegou à Copa embalado com a troca de ares (juntou-se ao elenco do Chelsea após oito temporadas no Napoli, da Itália). Foi um dos destaques da equipe na estreia contra a Holanda. Mas nada pôde fazer diante das falhas de Mendy.

Esbanja regularidade a ponto de, ano após ano, sempre figurar entre os melhores do mundo em sua posição. Tanto que o clube inglês desembolsou 33 milhões de libras (R$ 212,9 milhões) para adquiri-lo. Mas, claro, sua importância é maior defensivamente, o que significa que não é ele quem supre taticamente a ausência de Mané.

Idrissa Gana Gueye - meia

Assim que o corte de Mané se confirmou, todas as esperanças senegalesas recaíram sobre o experiente meio-campista de 33 anos. Na ausência do camisa 10, o ex-Paris Saint-Germain e recém-contratado pelo Everton é o principal articulador da equipe (além de seu potencial de marcação). Não só é de seus pés que saem as principais jogadas, como também boas conclusões. Contra a Holanda, a melhor oportunidade de gol saiu em uma finalização sua defendida por Andries Noppert.

Pape Matar Sarr - meia

Companheiro de elenco de Richarlison no Tottenham, o jovem de 20 anos ainda não teve muitas oportunidades no clube inglês. Mas é cercado de expectativas. No Metz, da França, impressionou pela capacidade de progredir com a bola nos pés e pelos passes verticalizados. Tem facilidade para ocupar espaços diferentes no campo. Inclusive, já foi testado por Aliou Cissé na seleção no lado onde Mané costuma jogar. Contra a Holanda, no entanto, acabou não ganhando a sonhada oportunidade. Assistiu ao jogo do banco.