Sem conseguir negociação, Fla torce para Marcelo Cirino se recuperar

VINICIUS CASTRO

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Virou rotina. Um simples chamado do técnico Zé Ricardo para Marcelo Cirino entrar no time do Flamengo é suficiente para desencadear a revolta da torcida rubro-negra. Foi assim no clássico contra o Vasco e se repetiu no empate por 1 a 1 dos reservas com o Volta Redonda. A impressão é a de que o atacante terá problemas para encontrar tranquilidade e reescrever a história na Gávea após a transferência frustrada para o Internacional.

O que a torcida ainda pode esperar de Cirino? A pergunta é difícil de ser respondida por todos que vivem o dia a dia do clube. O jogador estava convicto da transferência para o time gaúcho. Como o contrato foi amarrado de forma complexa, o objetivo de se desvincular do Flamengo esbarrou em diversas pontas e não foi cumprido, ainda que a diretoria tenha se mostrado absolutamente aliada no processo.

Restou ao jogador voltar aos treinos no Ninho do Urubu e cumprir o compromisso até o fim do ano. O problema é que Marcelo Cirino está longe de gozar da simpatia dos torcedores. O clima é pouco propício para uma volta por cima. No entanto, só resta ao atacante tentar reencontrar os melhores dias.

"O Marcelo chegou com uma super expectativa aqui no Flamengo. Não nos vangloriamos por contratações, mas ele foi considerado um grande nome na época. Isso o prejudicou. Mas as coisas mudam. O jogador acabou de ser pai, algo muito importante na vida dele. Está se empenhando para retomar a condição. O nosso grupo também está ficando conhecido pela rotatividade. Isso é fundamental. Visamos a qualidade do elenco e o Cirino faz parte disso. Não é fácil, mas hoje está altamente consciente e integrado. Acreditamos realmente que recuperará os seus melhores dias", afirmou o diretor executivo de futebol, Rodrigo Caetano.

O fato é que apesar do respaldo, Marcelo Cirino está atrás de alguns jogadores do elenco e se imagina que não tenha tantas oportunidades assim na sequência da temporada. Berrío, Gabriel, Everton e até Mancuello levam vantagem sobre o contestado atacante no que diz respeito ao papel de ponta na equipe rubro-negra.

"O Marcelo é um jogador com qualidades específicas e interessantes para o futebol atual. Tem muita velocidade e está bastante motivado com a nova oportunidade no clube. Ele nos disse que a saída seria positiva. Sempre preferimos que o atleta se sinta bem, mas infelizmente a negociação com Internacional e Atlético-PR não se concretizou. Ele é atleta do clube e sabe que precisará cumprir o contrato. Enquanto estiver aqui, segundo palavras dele, se doará ao máximo. Esperamos que seja assim, até porque não tem alternativa", comentou o técnico Zé Ricardo.

DÍVIDA

Aposta do Flamengo que ainda não se confirmou, Marcelo Cirino pode causar um desfalque considerável aos cofres rubro-negros. Ele tem acordo de empréstimo válido até o fim de 2017 com o clube carioca. Os direitos econômicos estão divididos entre o Atlético-PR (50%) e o grupo Doyen (50%). O Flamengo paga R$ 2 milhões por ano aos paranaenses pelo empréstimo, além dos salários -cerca de R$ 200 mil mensais.

O fundo de investimento pagou R$ 16 milhões por 50% dos direitos econômicos de Cirino no fim de 2014 e costurou o empréstimo ao Flamengo com cláusulas que o protegem. Para recuperar o investimento, o clube da Gávea precisa vendê-lo por cerca de 4 milhões de euros (cerca de R$ 13,5 milhões, na cotação atual) até o fim do empréstimo ou pode quitar a dívida do Doyen para adquirir os direitos econômicos -possibilidade descartada.

Segundo previsto no acordo, o Flamengo também tem direito a 20% da receita de transferência caso uma eventual venda ultrapasse o valor de 3,5 milhões de euros. A diretoria carioca tem boa relação com o grupo Doyen e renegocia alguns termos do contrato. O Flamengo, no entanto, já imagina que o prejuízo será inevitável, enquanto ainda espera o despertar de Marcelo Cirino.