A seleção ideal das oitavas de final da Champions League

Nathalia Almeida
·4 minuto de leitura

E então, restaram oito.
Marcada pelo protagonismo de jovens talentos, a Champions League 2020/21 chega em sua fase de quartas de final, com oito equipes remanescentes sobre as quais falamos brevemente no Power Ranking da próxima fase da competição.

Hoje, destacaremos quais foram os grandes destaques individuais das oitavas de final, montando a nossa seleção ideal da fase que teve seu desfecho na última quarta-feira (17). Confira como ficou:

Keylor Navas (PSG)

Navas teve uma atuação épica no jogo da volta contra o Barcelona | FRANCK FIFE/Getty Images
Navas teve uma atuação épica no jogo da volta contra o Barcelona | FRANCK FIFE/Getty Images

A disputa entre Navas e Marchesín (Porto) foi acirrada, mas a épica atuação do goleiro costarriquenho no jogo da volta contra o Barcelona acabou pesando em seu favor. Foram nove defesas na partida, parando inclusive uma cobrança de pênalti de Lionel Messi.

Trent Alexander-Arnold (Liverpool)

Lateral inglês teve atuações excelentes contra o Leipzig | ATTILA KISBENEDEK/Getty Images
Lateral inglês teve atuações excelentes contra o Leipzig | ATTILA KISBENEDEK/Getty Images

Pela regularidade nos dois confrontos entre Liverpool e Leipzig, o jovem lateral inglês fatura uma posição nesta seleção. Foi peça importante defensivamente e, como de costume, participou demais do momento ofensivo, sendo uma válvula de escape sempre perigosa na faixa do campo que ocupa.

Pepe (Porto)

Pepe foi fundamental no jogo contra a Juventus, em Turim | Quality Sport Images/Getty Images
Pepe foi fundamental no jogo contra a Juventus, em Turim | Quality Sport Images/Getty Images

Sabemos que o Porto levou quatro gols na eliminatória contra a Juventus, e que isso deveria pesar conta o sistema defensivo de Sergio Conceição. Mas o que o veterano zagueiro luso-brasileiro fez em Turim merece o nosso destaque: uma atuação incansável, combativa e de enorme entrega em prol do coletivo. Com desarmes, interceptações e 18 cortes completos, Pepe foi uma das 'caras' da classificação heroica do time do Dragão.

César Azpilicueta (Chelsea)

Azpilicueta tornou-se uma referência no sistema defensivo azul | Marc Atkins/Getty Images
Azpilicueta tornou-se uma referência no sistema defensivo azul | Marc Atkins/Getty Images

Quem falou que não é possível se reinventar no futebol depois dos 30 anos de idade? Azpilicueta é a prova concreta de que é possível sim, afinal, vem brilhando atuando como zagueiro sob comando de Tuchel. Emplacou duas belas atuações nos jogos contra o Atlético de Madrid, e sua solidez ajuda a explicar o porquê do Chelsea não ter sido vazado pelo rival espanhol.

João Cancelo (City)

Lateral luso está em grande fase com Guardiola | Robbie Jay Barratt - AMA/Getty Images
Lateral luso está em grande fase com Guardiola | Robbie Jay Barratt - AMA/Getty Images

João Cancelo não foi tão bem no segundo jogo contra o Mönchengladbach, mas entra nesta seleção alavancado pela grande exibição na primeira partida. Com uma belíssima assistência, ajudou a 'abrir caminhos' para a classificação tranquila do City diante dos alemães. É um dos melhores laterais do mundo na atualidade, especialmente no apoio.

Joshua Kimmich (Bayern)

Kimmich é o 'motorzinho' do Bayern | Alexander Hassenstein/Getty Images
Kimmich é o 'motorzinho' do Bayern | Alexander Hassenstein/Getty Images

O melhor volante do mundo na atualidade é um 'motorzinho' que não para jamais. Está em todos os lugares do campo ao mesmo tempo e chama muita atenção pela saúde e intensidade. Foi o melhor jogador do Bayern no jogo da volta (vitória por 2 a 1) e um dos destaques na ida, quando os alemães venceram a Lazio por 4 a 1, na capital italiana.

Ilkay Gündogan (City)

Gündogan vive a melhor temporada de sua carreira | Miklos Szabo/Getty Images
Gündogan vive a melhor temporada de sua carreira | Miklos Szabo/Getty Images

A temporada de Gündogan é um primor e o seu momento especial é uma dentre as muitas razões para o momento 'imbatível' vivido pelo City na temporada. Anotou um dos quatro gols da equipe na eliminatória contra o Mönchengladbach e foi sólido nas duas partidas.

Luka Modric (Real Madrid)

Quem disse que o camisa 10 croata está em declínio? | Soccrates Images/Getty Images
Quem disse que o camisa 10 croata está em declínio? | Soccrates Images/Getty Images

Dois dos quatro gols anotados pelo Real Madrid na eliminatória contra a Atalanta passaram pelos pés do armador croata, responsável por duas assistências. Ele pode não ser mais o mesmo de outrora em termos físicos, mas a qualidade técnica ainda é inquestionável.

Sérgio Oliveira (Porto)

O meia português foi o 'carrasco' da Juventus de Cristiano Ronaldo | Quality Sport Images/Getty Images
O meia português foi o 'carrasco' da Juventus de Cristiano Ronaldo | Quality Sport Images/Getty Images

Sua noite inspirada em Turim garantiu a heroica classificação do Porto às quartas de final. Não é todo jogador que assume a responsabilidade de ser 'o cara' de seu time, e foi isso que o meia fez especialmente no jogo da volta, em que Marega, Taremi e demais companheiros de ataque não estiveram bem. Foi pra cima, lutou muito, criou oportunidades e foi premiado com dois gols.

Kylian Mbappé (PSG)

Atacante francês está 'voando' na temporada | Xavier Laine/Getty Images
Atacante francês está 'voando' na temporada | Xavier Laine/Getty Images

O camisa 7 do PSG anotou quatro dos cinco gols da equipe na eliminatória contra o Barcelona. 'Só' isso. Ainda que a atuação na volta não tenha sido espetacular, o show na ida já tinha garantido sua vaga nesta seleção com antecedência.

Erling Haaland (Borussia Dortmund)

Haaland foi o melhor jogador das oitavas de final | Quality Sport Images/Getty Images
Haaland foi o melhor jogador das oitavas de final | Quality Sport Images/Getty Images

Simplesmente, o melhor jogador da fase de oitavas de final. Erling Haaland decidiu o jogo de ida com dois gols e uma assistência, e voltou a decidir a volta contra o Sevilla com mais dois gols. Um monstro de apenas 20 anos de idade, que precisou de apenas 14 jogos para chegar à marca de 20 gols na Champions. Qual é o limite para o jovem norueguês?