Segundo turno em Recife: Dilma exalta herança política de Marília Arraes

·3 minuto de leitura
Marília Arraes (PT), candidata a Prefeitura de Recife - Foto: Redes Sociais/Divulgação
Marília Arraes (PT), candidata a Prefeitura de Recife - Foto: Redes Sociais/Divulgação

A ex-presidente Dilma Rousseff anunciou apoio a Marília Arraes no segundo turno da eleição à prefeitura do Recife. Nesta quarta-feira, ela usou as redes sociais para se manifestar em favor da candidata do PT, que concorre ao cargo com João Campos, do PSB.

“Marília Arraes alia juventude, militância e experiência política para enfrentar o desafio de governar Recife e combater a imensa desigualdade existente no município”, escreveu em sua página no Twitter.

Dilma destacou a herança política obtida por Marília de seu avô Miguel Arraes, três vezes governador de Pernambuco, além de prefeito do Recife, deputado federal e deputado estadual.

“Herdeira política de Miguel Arraes, um dos maiores líderes brasileiros, e representando o PT, partido do nosso ex-presidente Lula, vamos fazer de Marília a primeira mulher a governar Recife. Marília vai fazer de novo o Recife mais justo, desenvolvido e feliz”, afirmou.

A manifestação de apoio de Dilma foi celebrada pela candidata petista. “Minha presidenta, que felicidade ler essas suas palavras. Nós, mulheres, sabemos o desafio de fazer política no Brasil, mas não nos intimidamos. Obrigada pelo seu apoio!!”, escreveu também na rede social.

Eleições em Recife

Pouco mais de um milhão de recifenses vão às urnas para decidir o segundo turno em uma eleição com detalhe curioso: será decidida entre primos. Os candidatos João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT).

Campos chegou ao segundo turno de uma das votações mais apertadas entre capitais ao fazer 29.17% dos votos válidos. Prestes a completar apenas 27 anos, ele é filho do ex-governador Eduardo Campos, morto em 2014.

Marília, por sua vez, é neta do também ex-governador Miguel Arraes e prima de Eduardo Campos. Atualmente é deputada federal por Pernambuco e foi, entre 2009 e 2019, vereadora no Recife.

Entenda o segundo turno

Para assumir a prefeitura no 1º turno, o candidato precisaria obter maioria absoluta - 50% mais um - dos votos válidos. Votos brancos e nulos não entram nessa conta.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) esclarece que essa condição da existência do 2º turno é válida somente às cidades com mais de 200 mil eleitores.

Essa regra está prevista nos artigos 28 e 29 da Constituição de 1988, determinando, além do limite mínimo de habitantes, que o “segundo turno poderá ocorrer apenas nas eleições para presidente e vice-presidente da República, governadores e vice-governadores dos estados e do Distrito Federal, e para prefeitos e vice-prefeitos.”

Nas eleições de 2016 havia 92 municípios com mais de 200 mil eleitores. Já em 2020, outras três cidades alcançaram o número de habitantes mínimo. São elas: Ribeirão das Neves (MG), Paulista (PE) e Petrolina (PE). Sendo assim, nas eleições 2020, 95 municípios poderão ter um segundo turno para prefeito e vice-prefeito.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.