Segundo turno em Fortaleza: Capitão Wagner acusa Sarto de fugir de debates e questiona motivos

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Capitão Wagner terminou o primeiro turno na capital cearense com 33,32% dos votos, contra 35,72% de Sarto. (Foto: Divulgação/PROS)
Capitão Wagner terminou o primeiro turno na capital cearense com 33,32% dos votos, contra 35,72% de Sarto. (Foto: Divulgação/PROS)

Candidato do Pros na eleição à prefeitura de Fortaleza, Capitão Wagner acusou seu concorrente, Sarto Nogueira (PDT), de “fugir” dos debates nesse início de campanha para o segundo turno.

“Alguém pode dizer porque o Sarto, candidato dos Ferreira Gomes, está fugindo dos debates? Disse que não vai para o debate da TV Cidade”, questionou em postagem na sua página no Twitter.

Capitão Wagner aproveitou para provocar o rival e elencou possibilidades para tal comportamento de Sarto. “Operação da PF”, “escândalo da TV Manchete” e “falta de projeto para Fortaleza” foram as opções dadas pelo candidato para que seus seguidores opinassem.

Capitão Wagner terminou o primeiro turno na capital cearense com 33,32% dos votos, contra 35,72% de Sarto.

Eleições em Fortaleza

Sexto maior colégio eleitoral do país, Fortaleza promete viver um segundo turno agitado na disputa da prefeitura. Seus mais de 1,5 milhão de eleitores irão decidir entre Sarto (PDT) e Capitão Wagner (PROS).

A disputa opõe candidatos ideologicamente afastados. Sarto terminou o primeiro turno na frente com 35.72% dos votos válidos. Sua candidatura deve unir o espectro mais progressista no segundo turno.

De outro lado está Capitão Wagner, favorito a chegar no segundo turno antes mesmo das candidaturas serem anunciadas e que terminou com 33.32% dos votos válidos na eleição do dia 15. Sempre foi o candidato alinhado ao discurso e com “benção” do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Entenda o segundo turno

Para assumir a prefeitura no 1º turno, o candidato precisaria obter maioria absoluta - 50% mais um - dos votos válidos. Votos brancos e nulos não entram nessa conta.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) esclarece que essa condição da existência do 2º turno é válida somente às cidades com mais de 200 mil eleitores.

Essa regra está prevista nos artigos 28 e 29 da Constituição de 1988, determinando, além do limite mínimo de habitantes, que o “segundo turno poderá ocorrer apenas nas eleições para presidente e vice-presidente da República, governadores e vice-governadores dos estados e do Distrito Federal, e para prefeitos e vice-prefeitos.”

Nas eleições de 2016 havia 92 municípios com mais de 200 mil eleitores. Já em 2020, outras três cidades alcançaram o número de habitantes mínimo. São elas: Ribeirão das Neves (MG), Paulista (PE) e Petrolina (PE). Sendo assim, nas eleições 2020, 95 municípios poderão ter um segundo turno para prefeito e vice-prefeito.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.