"Se tiver que ser punido por protestar, que seja": McKennie, do Schalke, e a luta contra o racismo

Goal.com

Em meio a partida entre Schalke 04 e Werder Bremen, um ato corajoso chamou a atenção: o jovem americano Weston McKennie, que defende os Die Knappen, entrou em campo com uma braçadeira com apelo político, pedindo justiça em relação a morte de George Floyd, homem negro assassinado de maneira brutal pela polícia de Minneapolis, no Estados Unidos.

A morte de Floyd desencadeou uma onda de protestos, que começou na própria cidade de Minneapolis e já percorre pelo mundo, pedindo o fim da violência policial e do racismo.

Assim como Jadon Sancho, Achraf Hakimi e Marcus Thuram, outros atletas que também fizeram apelos dentro de campo em solidariedade a causa 'Vidas Negras Importam', McKennie poderia acabar punido por, em tese, realizar protestos políticos em partidas da Bundesliga.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
sancho hakimi thuram mckennie bundesliga
sancho hakimi thuram mckennie bundesliga

A notícia de que os jogadores poderiam sofrer sanções da DFB, entidade que organiza a competição, gerou indignação, visto que os atletas estavam protestando por uma causa mais do que nobre e importante nos dias atuais. A possível decisão repercutiu e até a Fifa comunicou que nenhum dos quatro deveria ser punido.

Nesta quarta-feira (3), a Federação Alemã de Futebol publicou uma nota afirmando que não irá aplicar punições a Sancho, Hakimi, Thuram e McKennie, reforçando o compromisso da entidade a lutar contra o racismo e a discriminação. No entanto, mesmo que as sanções fossem aplicadas, o atleta do Schalke 04 não pretendia voltar atrás.

"Continuarei prestando homenagem a George Floyd. Se eu tenho que ser punido por falar o que penso, defender aquilo em que acredito, que seja." declarou McKennie em entrevista concedida a Forbes.

O jogador, nascido na cidade de Fort Lewis, nos Estados Unidos, também afirmou que estava incrédulo quanto a possível punição. "O árbitro pediu para eu retirar a braçadeira. Me recusei. Há uma regra no campeonato sobre não levar mensagens políticas, mas se você achar que isso é uma mensagem político, não sei o que dizer. A Liga sempre prega: 'diga não ao racismo.' Nunca ia imaginar que isso poderia ser um problema."

Leia também