Satisfeita com o retorno, LNB pensa em deixar o próximo Jogo das Estrelas em solo paulistano

Carolina Alberti
Em evento de divulgação do novo patrocinador, presidente da federação relembra antiga relação entre a capital paulista e o basquete

O Jogo das Estrelas é apenas neste domingo e a capital paulista já está respirando basquete. Nesta sexta-feira a Liga Nacional de Basquete (LNB) anunciou uma parceria com a Starbucks para a festa do basquete nacional, que acontece neste domingo, a partir das 10h.

Segundo o Diretor Geral da rede de cafés no Brasil, Ricardo Rinkevicius, a parceria é um sucesso já que o público do NBB e da Starbucks é o mesmo. Praticante de basquete na juventude, o executivo relembra os anos dourados do casamento entre a modalidade e o Ibirapuera.

- Nos anos 80, eu ia para lá no sábado a noite para ver os campeonatos e era fantástico. Depois acabou. Agora é bom ver a NBB trazer o Jogo das Estrelas para São Paulo, tem um monte de gente procurando ingressos.

Atualmente na presidência da LNB, João Fernando Rossi jogou dos sete aos 22 anos, majoritariamente pelo Pinheiros. Hoje, aos 51 anos, ele retrata a atual atmosfera da capital paulista como semelhante a de 1980.

- Eu vivi este momento que estamos vivendo. Essa euforia na cidade, onde um começa a comentar com o outro, a procura de ingresso, do calendário na televisão.

Rossi também destaca que São Paulo é a 'maior cidade das Américas' e, no que diz respeito ao basquete, estava apenas adormecida. O sucesso do evento que será em dois dias já faz a organização cogitar manter a festa em solo paulistano.

- São Paulo está ativada, isso a gente sente. Ela estava dormindo e a Liga Nacional, ao lado de atletas patrocinadores e clubes chegam para acordar. Então este evento é muito importante porque dá um norte de que a cidade de pode ser uma boa referência para o próximo Jogo das Estrelas. O sucesso está sendo tão grande que já estamos pensando em viabilizar para o ano que vem em São Paulo.











O presidente também vê uma maior popularidade da modalidade entre os jovens.

- Nos parques Vila-Lobos e Ibirapuera você vê mais gente jogando. Além disso, tem mais times no campeonato de base. É surpreendente.

O camisa quatro do Flamengo, Marcelinho Machado, de 41 anos, também relembra a tradição da capital paulista com o basquete.

- Meu pai foi jogador, meu tio e sempre comentaram como São Paulo foi o palco do basquete e como se vivia a modalidade aqui.

Marcelinho retorna ao Jogos das Estrelas de 2017 entre os titulares do NBB Brasil. Ele conquistou o Desafio de Habilidades em 2014 e 2015, sendo derrotado no ano passado por seu irmão Duda Machado.







E MAIS: