São Paulo tem dupla de zaga mais bem paga do país após renovação de Rodrigo Caio

Rodrigo Caio e Maicon vão faturar R$ 875 mil de salário por mês (Ale Cabral/Gazeta Press)

O São Paulo é dono da defesa mais vazada entre os 12 grandes clubes do Brasil em 2017. Ironicamente, a dupla de zaga do Tricolor passou a ser a mais cara do país depois da renovação do contrato de Rodrigo Caio, anunciada nesta segunda-feira. Ele e Maicon têm os maiores salários do futebol brasileiro, embolsando, juntos, R$ 875 mil por mês.

O novo vínculo de Rodrigo Caio, que pode mantê-lo no Morumbi até 2021, lhe garantirá R$ 400 mil por mês de salário. O acordo não prevê pagamento de luvas, embora o zagueiro cobrasse isso do presidente Leco. Diante da negativa, Rodrigo Caio pediu um salário superior ao teto tricolor, de R$ 350 mil – ele ganhava R$ 140 mil mensais.

Maicon já era uma exceção, pois embolsa, entre salários e luvas, aproximadamente R$ 475 mil mensais. O dono do maior salário no São Paulo é o atacante Lucas Pratto, contratado nesta temporada do Atlético-MG com vencimentos próximos de R$ 500 mil.

Com Rodrigo Caio e Maicon como titulares na maioria dos jogos, o Tricolor levou 20 gols em 11 jogos no Paulistão – só o Linense, adversário nas quartas de final, teve suas redes mais vazadas, com 22 gols. Em jogos oficiais da temporada, que também incluem a Copa do Brasil, são 15 partidas e 24 gols sofridos.

É bem verdade que a culpa de tantos gols não se resume ao miolo de zaga. Os goleiros Denis e Sidão tiveram falhas individuais, assim como os laterais Buffarini e Bruno. Em busca de mais solidez defensiva, o técnico Rogério Ceni tem recorrido a jogadores com característica de marcação, como Jucilei no meio-campo.

OS ZAGUEIROS MAIS BEM PAGOS DO BRASIL:
– Maicon (São Paulo): R$ 475 mil por mês
– Rodrigo Caio (São Paulo): R$ 400 mil
– Rever (Flamengo): R$ 350 mil
– Leonardo Silva (Atlético-MG): R$ 300 mil
– Dedé (Cruzeiro): R$ 280 mil
– Lugano (São Paulo): R$ 280 mil
– Geromel (Grêmio): R$ 250 mil

Para acessar outras notícias do Blog do Jorge Nicola, clique aqui: