Quebrando tabus - São Paulo 4 x 0 Mirassol

·2 minuto de leitura
Pablo acerta o pé como o São Paulo tem acertado a meta adversária FOTO Sebastiao Moreira-Pool/Getty Images

Crespo fez bem ao poupar os esgarçados titulares no Uruguai. Eles fizeram a equipe ter a melhor campanha na fase de grupos. Depois de 9 dias de "descanso" e treinos necessários, o time fez o que quis na noite de sexta-feira contra uma Ferroviária menos qualificada que o bom Mirassol de Eduardo Batista, mesmo com cinco desfalques por Covid (entre eles o ótimo lateral-esquerdo Morais). 

Menos de 48 horas depois das quartas-de-final, o Tricolor voltou ao Morumbi. E poderia ter decidido tudo já na primeira etapa. Mantida a escalação e a ideia do 3-4-2-1 bastante móvel (com Luciano de volta como opção de banco), nos primeiros 45 minutos mais uma vez muito bons e intensos, o gol só saiu aos 44. Muralha saiu mal do gol e Arboleda aproveitou de cabeça o escanteio batido pela esquerda no segundo pau.

Justo. Muito justo pela ótima passagem de Igor Vinicius e Reinaldo pelos lados, a chegada de Liziero bem por dentro, Benítez bolando os lances e repetindo a ótima atuação de sexta, e Gabriel Sara mais uma vez muito bem em todos os lados. Correndo muito e fazendo o São Paulo melhor com a bola.

Um a zero foi pouco no primeiro tempo.

Dois a zero não foi demais aos 4 minutos, quando Pablo foi bem lançado por Arboleda e, na saída de Muralha, pareceu errar o chute ou o passe para ninguém. Mas a bola bateu em Danilo Boza e praticamente definiu a merecida classificação.

Ampliada aos 11, quando Gabriel Sara foi premiado com o gol que tanto buscou e facilitou desde as quartas contra a Ferroviária, depois de novo escanteio pela esquerda, desviado no primeiro pau pelo ainda monstruoso Miranda.

O São Paulo então corretamente tirou o pé do acelerador, esperando mais uma semana cheia - e com ótimas perspectivas, como mostrou ao empilhar 12 chances contra apenas 3 do bom rival. E ainda marcar o quarto gol com Luciano, aproveitando ótima chegada ao fundo de Igor Vinicius, aproveitando linda enfiada do cada vez melhor Benítez.

A quinta vitória tricolor no SP-21 com quatro ou mais gols. Agora com 8 vitórias seguidas no Morumbi. São 14 jogos sem derrota (o que não conseguia desde 2012), pelas contas do imperdível Anotações Tricolores, de Alexandre Giesbrecht.

Nunca o São Paulo chegou tão forte desde 2005 para decidir o Paulistão. A ponto de Crespo ter que se virar para saber onde encaixar Gabriel Sara nesse time, com o retorno do titular absoluto Luciano.

Pode até sobrar para Pablo, que enfim está se valendo, em um time que vai ganhando alternativas técnicas e táticas além das partidas em que até recentemente se complicava.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos