São Paulo foi atropelado contra o Flu. Ganso e Cano foram brilhantes

Jogadores do Fluminense comemoram os gols marcados contra o São Paulo. Foto: Thiago Ribeiro/AGIF (Thiago Ribeiro/AGIF)

Comentei a vitória do Fluminense sobre o São Paulo por 3 a 1. O resultado foi mentiroso pela superioridade carioca, em praticamente todo o jogo. Rogério Ceni escalou Reinaldo de ala direito, mais uma vez, e viu seu time ser amassado em 15 minutos da segunda etapa.

Por incrível que pareça, o SP saiu na frente com um bonito gol de Luciano. O mesmo já havia obrigado Fábio a grande defesa, em lance anterior. Luciano e Calleri são os bons nomes ofensivos do time, mas Ceni insiste em substituí-los.

Depois do gol, o Flu não se abateu e encurralou o SP, com Ganso comandando as ações com toques rápidos e deslocamentos dos seus companheiros. Cano exigiu bastante de Felipe Alves e não empatou por detalhes.

Na volta para o segundo tempo, Diniz sacou Nino, Cristiano e Yago Felipe, deixando o Flu num 3-3-4. Deu tudo certo. Em três jogadas, o Flu abateu o SP, com méritos de toda a equipe e a eficiência espetacular de Germán Cano, o goleador da Série A com 24 gols. O Flu brincou de jogar bola e poderia ter goleado, sem tirar o pé.

Do outro lado, RCeni fez substituições bem discutíveis e Fábio não trabalhou. A diferença técnica e tática foi muito grande para o Flu e escancarou as deficiências são-paulinas. Agora, a fase de grupos da Libertadores ficou distante para o SP, precisando vencer Inter e Goiás, contando com resultados paralelos.

2022 é mais um ano de sofrimento para o torcedor são-paulino.