Santos teve menos a bola, mas foi mais efetivo nos últimos cinco jogos

Fábio Lázaro*
LANCE!


Nas últimas cinco partidas do Santos antes da suspensão da agenda, devido a pandemia do novo coronavírus, a equipe demonstrou uma mudança de postura no que refere-se a posse de bola e aproveitamento das oportunidades.

Após um início de muitos questionamentos, o técnico Jesualdo Ferreira teve o cargo ameaçado, após a derrota por 2 a 0 diante do Ituano, Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista. No entanto, o treinador português ganhou uma sobrevida na partida seguinte, quando empatou em 0 a 0, no Pacaembu, pela oitava rodada do Estadual. Uma nova fase para um Peixe que passou a ter menos a bola, mas aumentar a efetividade ofensiva.

Depois de marcar seis gols nos sete primeiros compromissos, o Peixe balançou as redes sete vezes nos últimos cinco jogos. O time que transformava 25% das finalizações corretas em gols, agora converte 41% das chances claras.

Por sua vez, o Alvinegro Praiano teve menos a bola no pé nos compromissos mais recentes. O que era 61%, hoje é 46% e o time que nunca havia terminado uma partida com a posse de bola menor que o adversário, nesta temporada, teve índice inferior em duas das últimas cinco oportunidades, ganhando uma e perdendo outra.

A paralisação geral do futebol brasileiro, por conta do surto da COVID-19, interrompeu o início do crescimento do Santos, mas é fato que no processo em busca do time ideal, Jesualdo tentará encontrar uma equipe mais oportunista, mesmo que pra isso a posse de bola deixe a desejar.

* Sob supervisão de Vinícius Perazzini










Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também