Santos já sabe o que fazer com o dinheiro da indenização do 'caso Cueva'

'Caso Cueva' virou uma novela no Santos (Foto: Ivan Storti/Santos)


O Santos definiu um destino para os R$ 23,9 milhões que tem direito a receber do 'caso Cueva'. Segundo apuração do LANCE!, o Peixe pretende quitar a dívida com o Krasnodar, time russo que detinha os direitos econômicos do jogador peruano quando o Alvinegro o contratou, em 2019.

Na ocasião, o clube do litoral paulista comprou o meia-atacante por 7 milhões de dólares (R$ 35 mi, na cotação da época). A reportagem soube que, deste montante, o Peixe ainda deve cerca de metade: 3,5 milhões de dólares (R$ 17,7 milhões). Ou seja, com a destinação da indenização do 'caso Cueva' para o pagamento da dívida com o Krasnodar, sobrariam em torno de R$ 6,2 milhões. Esta parte do dinheiro ainda não possui um fim definido.


> Santos tem performance apática, e Soteldo e João Paulo são destaques contra o Água Santa

Ainda neste ano, o Santos viveu um 'drama' com a equipe russa. Isso porque o clube teve as contas bloqueadas pelo Fisco Espanhol em decorrência da venda de Neymar ao Barcelona, em 2013. Com esse entrave, o Peixe deixou de pagar uma parte do valor que devia para o Krasnodar. No entanto, a diretoria santista negociou com os russos e explicou a situação.

A DECISÃO QUE BENEFICIOU O SANTOS

Pachuca e Cueva perderam a batalha judicial para o Peixe na última instância esportiva. A Corte Arbitral do Esporte (CAS) manteve a decisão da Fifa de que o peruano não tinha justa causa para deixar o clube e se transferir para o México, no início de 2020. Ambos são obrigados a pagar o valor estipulado em R$ 23,9 milhões.

O CAS chegou à conclusão que o Pachuca se beneficiou da rescisão contratual do jogador. A quebra de contrato foi considerada ilegal porque o atleta não cumpriu uma série de procedimentos impostos pela Fifa — previstos no artigo 14bis da instituição — para este tipo de caso. Todos os argumentos apresentados pelo Santos foram acatados.