Santos evitou queda do Palmeiras há 7 anos e agora tem sua própria luta

·4 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL  10.07.2021 - Palmeiras e Santos pela 10° rodada da série A do Campeonato Brasileiro 2021 no Allianz Parque. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL 10.07.2021 - Palmeiras e Santos pela 10° rodada da série A do Campeonato Brasileiro 2021 no Allianz Parque. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na lista de confrontos do clássico, esta década tem momentos históricos. A cabeçada de Breno Lopes que deu ao Palmeiras o título da Libertadores na última temporada. O gol perdido por Nilson, o pênalti convertido por Fernando Prass e a conquista da Copa do Brasil de 2015 pelo alviverde.

Houve o troféu estadual obtido pelo Santos, nos pênaltis, em 2015. Vitória tatuada por Lucas Lima, então jogador do alvinegro, na perna. Dois anos depois, ele foi para o Palestra Itália.

As duas equipes se enfrentam neste domingo (7). O Palmeiras ainda sonha com o título nacional e pensa na final da Libertadores. O Santos briga para não ser rebaixado para a Série B. É situação bem diferente da de sete anos atrás, quando um resultado santista evitou a queda do rival.

Fernando Prass estava à beira do campo no Allianz Parque, após o empate do Palmeiras em 1 a 1 com o Athletico na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2014. Como não venceu, precisava que o Santos não perdesse para o Vitória para não ser rebaixado pela 2ª vez em 3 temporadas.

Com fone no ouvido, Prass tentava escutar os últimos instantes do que acontecia em Salvador. Desistiu, mas ouviu um grito de gol quando tirava os auriculares. O repórter lhe disse que havia sido marcado pelo Vitória.

"Naquela hora, eu morri um pouco", confessa o goleiro.

Um segundo depois, a torcida no Allianz começou a vibrar. Havia sido, na verdade, gol de Thiago Ribeiro, para o Santos. O lance em si não salvou o Palmeiras da queda. Mas confirmou que o clube de Vila Belmiro havia conseguido o resultado necessário.

O rebaixamento seria um baque para o Palestra, especialmente naquele ano, o primeiro do seu novo estádio. O então presidente Paulo Nobre prometeu um incentivo financeiro para os santistas não perderem para o Vitória.

Da mesma forma, a queda para o Santos em 2021 seria um trauma. Há cinco anos sem um título de expressão e em séria crise financeira, o clube não tem como abrir mão dos rendimentos, especialmente os direitos de TV, proporcionados por estar na Série A .

"Ninguém empresta dinheiro para o Santos e os poucos que emprestam são a juros altíssimos", constata o presidente Andrés Rueda, confirmando que ele e outros empresários tiveram de ser avalistas para empréstimos que a agremiação tomou no mercado.

Aquela partida de 2014 mudou a vida do Palmeiras que, em processo de transição, não teve de passar de novo vez pela pressão de disputar a 2ª divisão. Na temporada seguinte, venceria a Copa do Brasil e repetiria a dose em 2020. Com o patrocínio e a ajuda financeira da Crefisa para contratar reforços, ganhou dois Brasileiros (2016 e 2018), o Paulista e a Libertadores de 2020.

Depois de ser campeão estadual em 2015, o Santos repetiria a dose em 2016, eliminando o Palmeiras na semifinal. Depois disso, entrou no jejum.

De forma semelhante ao que aconteceu com o Palmeiras em 2014, o objetivo alvinegro agora é se manter na elite para ganhar tempo e se reorganizar. Até mesmo o projeto de reconstrução da Vila está em pauta e será tocada pela WTorre, mesma empresa que construiu o Allianz Parque.

Mas para todo esse processo ser mais fácil, o Santos precisa permanecer na Série A. Uma vitória contra o Palmeiras neste domingo ajudaria bastante. Não que o adversário tenha algo a ver com isso. Se vencer, pode ficar a sete pontos do líder Atlético-MG a oito rodadas do fim do torneio.

"O campeão nem sempre é pelo investimento que se faz no futebol. Não acho que temos equipe para estarmos na posição atual. Nosso objetivo não é apenas fugir do rebaixamento. É ter uma colocação honrosa", almeja Rueda.

SANTOS

João Paulo; Danilo Boza, Emiliano Velázquez e Robson Reis; Madson, Vinicius Zanocelo, Felipe Jonatan e Marcos Guilherme; Marinho, Diego Tardelli e Lucas Braga. T.: Fábio Carille

PALMEIRAS

Weverton; Marcos Rocha, Gustavo Gómez, Luan e Piquerez; Felipe Melo, Zé Rafael (Danilo), Raphael Veiga e Gustavo Scarpa (Luiz Adriano); Dudu e Rony. T.: Abel Ferreira

Estádio: Vila Belmiro, em Santos (SP)

Horário: 16h deste domingo (7)

Árbitro: Raphael Claus (SP)

Transmissão: Globo e TNT Sports

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos