Santos e Palmeiras chegam à final da Libertadores com mudança de técnicos e 'invertem' nacionalidades

Rafael Marson *
·3 minuto de leitura


No próximo sábado (30), Palmeiras e Santos se enfrentam na grande decisão da Copa Libertadores, às 17h, no Maracanã. Um ponto que une ambos times paulistas foi a mudança no comando técnico em algum momento da temporada. Contudo, os times optaram por caminhos inversos nessa escolha.

Veja 20 jogadores com passagem por seleção que estão sem clube atualmente

No alviverde, Vanderlei Luxemburgo foi responsável por colocar o Verdão como melhor campanha da fase de grupos da competição continental, mas resultados adversos no Campeonato Brasileiro fizeram a diretoria demitir o consagrado treinador e optar pela chegada do português Abel Ferreira.

Já o Peixe apostou na experiência de Jesualdo Ferreira, conterrâneo de Abel, para iniciar 2020. O português não conseguiu bons resultados e foi demitido no começo do ano. A diretoria santista apostou em um nome experiente no mercado brasileiro. Com Cuca, o Peixe provou ser extremamente competitivo e conseguiu chegar à decisão.

Palmeiras - Do brasileiro consagrado ao português questionado

Em dezembro de 2019, após o Flamengo ganhar a Libertadores e Brasileirão com Jorge Jesus, o presidente do Palmeiras, Maurício Galiote prometeu à torcida um treinador com DNA ofensivo.


A diretoria tentou Sampaoli, mas esbarrou nos altos valores pedidos pelo argentino e recuou na negociação. Com a temporada perto do início, Vanderlei Luxemburgo, um dos mais vitoriosos treinadores pelo Verdão, foi o escolhido para liderar o projeto de mentalidade ofensiva e melhor aproveitamento dos jogadores da base.

O começo foi promissor, com Luxa fazendo campanha sólida na Libertadores, garantindo o título paulista contra o rival Corinthians e lançando no time titular Gabriel Menino e Patrick de Paula. Contudo, o trabalho passou a ser questionado quando o Verdão perdeu por 2 a 0 para o São Paulo, no Allianz Parque.

Após revés para o Coritiba, por 3 a 1, Luxemburgo não resistiu à pressão e foi demitido. O Palmeiras tentou, e ficou muito perto de um acerto com o técnico sensação Miguel Ángel Ramírez, do Independiente del Valle.

Depois de tentar com três técnicos sul-americanos, a diretoria alviverde foi à Grécia fechar acordo com Abel Ferreira, anunciado no final de outubro.

Em menos de três meses, Abel classificou o Palmeiras para a final da Copa do Brasil, recolocou o clube na briga pelo título brasileiro e principalmente, conduziu o Verdão à final da Libertadores, eliminando o River Plate nas semifinais.

Santos - Da experiência portuguesa ao medalhão brasileiro

Assim como o Palmeiras, o Santos começou a temporada de 2020 em busca de um novo comandante. Isso porque Jorge Sampaoli, que havia recusado proposta do Verdão, sorriu para o Atlético-MG e fechou com os mineiros.

Em busca de um gringo, a diretoria santista foi até Portugal contratar um amigo de Jorge Jesus, Jesualdo Ferreira, no final de 2019.


O português teve um início sólido na Libertadores, vencendo Defensa y Justicia e Delfín na fase de grupos. Por outro lado, as atuações da equipe no Paulistão não convenciam. A eliminação nas quartas de final do torneio regional para a Ponte Preta foi o ponto final dele no clube.

Com a pandemia, Jesualdo treinou o Santos apenas em 15 oportunidades, conseguindo seis vitórias, quatro empates e cinco derrotas, resultando em um aproveitamento de 48,8%.

Vivendo grave crise financeira, o Santos abriu negociação com Cuca e conseguiu chegar em um acordo com o treinador para o restante da temporada.

Cuca lidou extremamente bem com a pressão política, soube gerenciar o vestiário santista e potencializou peças do elenco, como Marinho, Pituca e Veríssimo. Com um grande poderio ofensivo, o Santos goleou Grêmio e Boca Juniors, respectivamente, e agora precisa derrubar o Palmeiras para ser o único tetracampeão brasileiro da Libertadores.

* Sob supervisão de Marcio Monteiro