Sainz: Transmissões de TV não fazem justiça à geração "espetacular" de carros da F1

Jonathan Noble
motorsport.com

O espanhol da McLaren, Carlos Sainz, sempre foi um defensor da geração atual de carros da Fórmula 1, falando que eles estão em um patamar acima de qualquer outra do esporte - com modelos mais poderosos e rápidos. Mas afirma que esse potencial todo não é visto nas transmissões de TV.

Sainz acredita que há uma desconexão entre o quão espetacular os carros da F1 são para pilotar e como eles parecem ser na televisão.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também:

F1: McLaren mantém novo pacote de aerodinâmica após testes na sextaChefe da Racing Point esclarece questão de cláusula de saída de PérezMercedes bota ordem na casa e Bottas lidera TL3 em Silverstone antes da classificação

Segundo o piloto, ele sempre teve a impressão de que os carros dos anos 1990, que eram vários segundos mais lentos que os modelos atuais, parecem mais rápidos - e ele não entende o porquê.

Isso levou ele a ir às redes sociais recentemente, fazendo um tweet com imagens de Ayrton Senna em Silverstone perguntando sobre a questão. "Alguém pode explicar para mim porque esses parecem ser mais rápidos que os atuais, apesar da nossa geração ser mais rápida?", escreveu o espanhol.

 

"Os carros são maravilhosos, mas aí você olha na TV e eles não parecem ser tão rápidos quanto os de então. E isso me deixa nervoso. Estamos fazendo algo de errado com as câmeras, ângulos das câmeras ou é a alta definição?".

"A maior parte das pessoas no Twitter concordaram que os carros, sendo mais longos e largos, passam a impressão de serem mais lentos".

Sainz disse que a situação é desconceetante porque o alto nível de downforce dos carros atuais levaram as performances ao extremo novamente.

"Os carros desse ano são espetaculares, é difícil de explicar. Eu conheço a evolução dos carros de 2015 para 2020, de cerca de 10 segundos por volta. Eu consegui sentir a melhora dos carros da F1 e como agora conseguimos ir rápido em lugares como Hungria, Silverstone, Spa, Suzuka... é algo espetacular".

"Os tempos de volta são muito rápidos. Tanto quanto os carros dos últimos anos, que eram mais leves. O que realmente me impressiona no carro é o quão rápido conseguimos ir em uma curva".

"Por mais que os carros do passado fosse mais leves e mais espetaculares para ver na TV, não há nada como os carros desse ano".

Racing Point e Red Bull lideram, Hulkenberg vive saga para voltar à F1 e Drugovich é pole na F2

PODCAST: Bastidores do futuro do GP do Brasil e os ambientes de F1 favoritos de Reginaldo Leme

Your browser does not support the audio element.

Leia também