Saindo do Brasil, Ford renovou frota do governo Bolsonaro a um custo de quase R$ 1 milhão

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro and Vice President Hamilton Mourao attend a ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil January 12, 2021. REUTERS/Adriano Machado
Brazil's President Jair Bolsonaro and Vice President Hamilton Mourao attend a ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil January 12, 2021. REUTERS/Adriano Machado

O fechamento das fábricas da Ford no Brasil foi assunto de muita discussão ao longo da semana, incluindo a Presidência da República. Claro que a questão econômica foi levantada, mas há outra curiosidade: no ano passado, o Gabinete de Segurança Institucional, órgão responsável pela segurança do presidente Jair Bolsonaro, do vice Hamilton Mourão e familiares, comprou 14 carros da marca para renovar a frota presidencial.. As informações são do UOL.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O modelo escolhido foi o Ford Fusion, todos da versão Titanium, equipada com motor 2.0 turbo de 248 cv e blindagem de nível III-A - capaz de resistir a disparos de pistolas e até submetralhadoras.

Leia também:

Todos os blindados trazem pintura preta e são idênticos, para dificultar a identificação do transporte das autoridades durante comitivas.

As informações da frota de blindados constam de edital aberto em agosto de 2020 pelo GSI para a contratação de seguro total dos veículos - incluindo a respectiva blindagem, com valor de R$ 65 mil para cada carro, considerando preços da época [totalizando R$ 910 mil] Também informa que cada sedã traz R$ 3,5 mil em equipamentos de sinalização visual e sonora.

O edital traz valor de referência de R$ 72.312,52 para a contratação da cobertura dos 14 automóveis blindados e esclarece que "atendem o Presidente e Vice-Presidente da República, bem como seus respectivos familiares", bem como os sedãs eram zero-quilômetro na época, pois foram "recém-adquiridos" à época.

O presidente Jair Bolsonaro criticou a saída da empresa automotiva do país. Disse que a empresa “não falou a verdade” e que, na verdade, “queria mais subsídios”.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube