Saiba quem é o homem que invadiu o gramado em Portugal x Uruguai, que também protestou na Copa de 2014


O italiano Mario Ferri, que invadiu o gramado na partida entre Portugal e Uruguai, nesta última segunda-feira, já havia protestado em campo em um outro jogo de Copa do Mundo. Em 2014, no Mundial realizado no Brasil, ele invadiu a partida entre a Bélgica e os Estados Unidos na Arena Fonte Nova, em Salvador.

+ ATUAÇÕES: Arrascaeta, Suárez e Bentancur tentam, mas Uruguai fica no “quase” em derrota para Portugal

Mario Ferri driblou os agentes de segurança em volta do gramado do Lusail Stadium com uma bandeira nas cores do arco-íris, que é proibida no país. Em apoio ao movimento LGBTQIA+, o manifestante protestou nos primeiros minutos do segundo tempo, mas foi contido logo em sequência.

+ Repórter usa braçadeira arco-íris proibida pela Fifa antes de Inglaterra x Irã pela Copa do Mundo

Em 2014, o italiano invadiu a partida entre a Bélgica e os Estados Unidos na Arena Fonte Nova, em Salvador. Na ocasião, Mario customizou a camisa com as hashtags "salvem as crianças da favela" e "Ciro vive". A segunda frase fazia menção a um torcedor italiano morto durante uma confusão que aconteceu antes da decisão da Copa Itália daquele mesmo ano.

Na invasão de ontem, Mario vestiu a mesma camiseta utilizada no Mundial do Brasil, com o símbolo do super homem. Ele não só fez referência aos direitos LGBTQIA+, a parte da frente da roupa trazia o pedido: 'salve a Ucrânia', que faz alusão à guerra ocorrida desde o início do ano no leste europeu, com a Rússia.

Já na parte de trás da camisa estava escrita a mensagem: 'respeito pelas mulheres iranianas'. No Irã, as mulheres não podem frequentar estádios de futebol, além disso, o país passa por uma crise política motivada por conta do assassinato de uma mulher pela "polícia da moralidade".

+ Saiba quem é Alex Scott, repórter que 'peitou' a Fifa na Copa do Mundo

Manifestante
Manifestante

Desde o início da Copa do Mundo, as manifestações contra a homofobia têm sido frequentes.(Foto: PABLO PORCIUNCULA/AFP)

Esta é a terceira invasão de Mario Ferri em Copas do Mundo. Além dos atos desta segunda-feira e de 2014, em 2010, no Mundial da África do Sul, o italiano entrou no campo durante a semifinal entre Espanha e Alemanha.

Desde o início da Copa do Mundo, as manifestações contra a homofobia têm sido frequentes. No país-sede do Mundial, a relação homossexual é considerada crime. Jogadores como Manuel Neuer, da Alemanha, e Harry Kane, da Inglaterra, tentaram usar a braçadeira com as cores do arco-íris, mas foram impedidos.