Saiba o que os brasileiros precisam para conquistar o título do Mundial de Surfe

Yahoo Esportes
Italo Ferreira, Gabriel Medina e Filipe Toledo lutam pela taça mais cobiçada do mundo do surfe (WSL, Yahoo Esportes)
Italo Ferreira, Gabriel Medina e Filipe Toledo lutam pela taça mais cobiçada do mundo do surfe (WSL, Yahoo Esportes)

Cinco atletas e apenas um troféu. E a taça tem como possíveis destinos Brasil, África do Sul ou Estados Unidos. A disputa do título mundial de surfe de 2019 teve uma troca recorde de líderes do ranking e, no fim das contas, será mesmo decidida na mítica Pipeline, no Havaí.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

SIGA O YAHOO ESPORTES NO FLIPBOARD

Depois da espetacular etapa de Portugal, com mais uma vitória brasileira, o Mundial de Surfe não terminou de forma antecipada. Italo Ferreira, Gabriel Medina, Filipe Toledo, Jordy Smith e Kolohe Andino aguardam este mês de dezembro para descobrirem quem levanta o tão sonhado troféu.

Veja outras notícias de surfe

Então líder do ranking mundial, Gabriel Medina teve a chance de garantir o título em Portugal, mas uma polêmica interferência sobre Caio Ibelli nas oitavas de final não só deixou tudo aberto como o derrubou para o segundo lugar.

Interferência de Gabriel Medina (aos 6’09” do vídeo) pode custar o título ao brasileiro

Bicampeão em Peniche, Italo Ferreira assumiu a liderança do ranking e vai para Pipeline com as maiores chances de título. Filipinho foi até as quartas em Portugal, mas caiu para quarto colocação e terá que torcer contra seus adversários para levantar o inédito troféu. Terceiro e quinto na lista, Jordy Smith e Kolohe Andino, respectivamente, também têm chances de conquistar pela primeira vez o Mundial de Surfe.

As contas para o troféu

Italo Ferreira vai para o Havaí como o líder do ranking (WSL)
Italo Ferreira vai para o Havaí como o líder do ranking (WSL)

Primeiro colocado do ranking mundial, Italo Ferreira tem o cenário mais favorável para conquistar o inédito título mundial, mas os outros dois brasileiros (Gabriel Medina e Filipe Toledo) também dependem apenas de si para levantar a taça. Todos eles, caso vençam o evento em Pipeline, também conquistam o Mundial.

  • Se Italo Ferreira for o vice-campeão da etapa, Gabriel Medina e Filipe Toledo precisam vencer o evento havaiano para impedir o título mundial do compatriota.

  • Se Italo Ferreira parar nas semifinais, Gabriel Medina precisa ficar em 2º e Filipe Toledo e Jordy Smith precisam vencer o evento para impedir o título mundial do líder do ranking.

  • Se Italo Ferreira parar nas quartas de final, Gabriel Medina precisa ficar em 3º, Filipe Toledo em 2º e Jordy Smith em 1º para impedir o título mundial do líder do ranking.

  • Se Italo Ferreira parar nas oitavas de final, Gabriel Medina precisa ficar em 5º, Filipe Toledo em 3º, Jordy Smith em 2º e Kolohe Andino em 1º para impedir o título mundial do líder do ranking.

No caso de Italo Ferreira ser eliminado na 2ª fase ou na 3ª fase, Gabriel Medina e Filipe Toledo precisam de um 9º lugar, Jordy Smith de um 5º lugar e Kolohe Andino de um 2º lugar para impedir o título mundial do líder do ranking.

Retrospecto

Gabriel Medina tem o melhor retrospecto no Havaí entre os concorrentes ao título (WSL)
Gabriel Medina tem o melhor retrospecto no Havaí entre os concorrentes ao título (WSL)

Vale lembrar que Pipeline é uma das ondas mais perigosas e mais temidas do mundo. O conhecimento do pico e a leitura da onda são dos fatores fundamentais para se dar bem no último evento da temporada.

Neste caso, Medina é quem leva a melhor. O brasileiro conquistou a etapa no ano passado, tem mais duas finais (2014 e 2015) e outras duas quartas de final (2011 e 2017) no currículo. Em 2018, comentaristas definiram? “Medina encara Pipeline como se fosse uma vala no quintal de sua casa”. Vídeos mostram que eles têm certa razão. 

Filipinho já surfou em seis eventos na mítica Pipeline, mas seu melhor resultado foi o 5º lugar em 2014. Italo, em quatro participações, terminou três vezes em 13º e uma vez em 5º, há dois anos.

O sul-africano Jordy Smith fez no ano passado sua melhor performance em Pipeline, indo até as semifinais. Ele também tem as quartas de final de 2016 como destaque. Já o americano Kolohe Andino passou apenas uma vez da terceira fase, mas em 2017 foi até as semifinais.

As contas estão no papel e, a partir de 08 de dezembro, os atletas estarão dentro da água. Mas todas as informações do mundo do surfe você encontra sempre aqui no Yahoo Esportes.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também