Súmula do Choque-Rei relata que membros da delegação do São Paulo tentaram invadir a cabine do VAR

·2 minuto de leitura


Após as polêmicas de arbitragem durante o empate por 0 a 0 entre São Paulo e Palmeiras, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) disponibilizou em seu site a súmula da partida, assinada pelo árbitro Luiz Flávio de Oliveira e seus assistentes. No documento, consta o relato de ofensas de diretores são-paulinos ao árbitro e uma tentativa de invasão à cabine do VAR após o final da partida, resultando no arrombamento da porta da cabine.


CONFIRA A TABELA ATUALIZADA E SIMULE OS JOGOS DO BRASILEIRÃO DE 2021!

Nas considerações feitas pelo árbitro Luiz Flávio de Oliveira, estão os relatos sobre o ocorrido. O juiz alega que foi o árbitro de vídeo Pericles Bassols e seu auxiliar Vitor Carmona Metestaine que informaram sobre a tentativa de invasão, mas não conseguiram identificar os autores.

- Fui informado pela equipe VAR, Sr. Pericles Bassols Pegado Cortez e o Sr. Vitor Carmona Metestaine, que após o término da partida foram até a sala do VAR, deram murros na porta por duas vezes e arrombaram a mesma, quebrando a fechadura, porém não adentraram a sala e nem foi possível identificar o autor do fato - relatou o juiz na súmula.

Nos relatos, o árbitro alega que os diretores de futebol do São Paulo, Carlos Belmonte e Fernando Bracalle, conhecido como Chapecó, insultaram o árbitro na zona mista com palavras de baixo calão.

- No intervalo da partida, enquanto descíamos na zona mista, o Sr. Carlos Belmonte Sobrinho, diretor de futebol da equipe do São Paulo Futebol Clube proferiu as seguintes palavras: 'Vocês estão de palhaçada com a gente, c******'. E, ao término da partida, novamente o mesmo retorna na zona mista e profere as seguintes palavras: 'Safado, ladrão, vagabundo, vai tomar no c*, vocês roubaram a gente' - relatou o juiz.

Segundo Luiz Flávio de Oliveira, além dos insultos, Fernando Bracalle teria dito que o árbitro deveria ser preso.

- Informo, ainda, que o Sr. Fernando Bracalle Ambrogi, diretor de futebol da equipe do São Paulo Futebol Clube, presente também na zona mista ao término da partida profere as seguintes palavras: 'Você tem que ser preso, pode relatar o meu nome aí, seu vagabundo' - escreveu o árbitro.

Ao final da partida, o diretor de futebol do São Paulo, Carlos Belmonte, fez um pronunciamento contra as decisões do VAR e afirmou que o clube fará uma representação à CBF a respeito do ocorrido.

O próximo jogo da equipe é pelas oitavas de final da Copa do Brasil, contra o Vasco, na próxima quarta-feira (4), em São Januário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos