Símbolo de grupo paramilitar coloca Shaqiri em nova polêmica com a Sérvia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O secretário-geral da Federação Sérvia de Futebol, Jovan Surbatovic, vai pedir à Fifa uma punição ao meia Xherdan Shaqiri, da Suíça, após o atleta se envolver em uma polêmica diplomática no sábado (9), depois da vitória dos suíços sobre a Irlanda do Norte, por 2 a 0, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022.

Na ocasião, um suposto torcedor colocou nos ombros do jogador um casaco com o emblema da Ushtria Clirimtare e Kosoves (UCK), o Exército da Libertação do Kosovo, organização paramilitar formada por rebeldes que lutaram pela independência do Kosovo em relação à Sérvia.

Na sequência, Shaqiri demonstra surpresa com a atitude e sorri antes de tirar o casaco. O atleta suíço nasceu no Kosovo, em 1991. A família dele fugiu da região quando ele tinha quatro anos de idade.

"Exigimos uma resposta imediata e as mais duras sanções contra Shaqiri por promover uma organização terrorista criminosa. A Federação da Sérvia irá usar todos os mecanismos legais ao seu dispor para retirar os responsáveis deste episódio do futebol", afirmou Jovan Surbatovic.

Em nota, a Federação Suíça de Futebol defendeu o atleta do Lyon (FRA). Segundo a entidade, é "inaceitável que as pessoas abusem de uma entrevista pós-jogo para fazer propaganda política. Shaqiri comportou-se de forma exemplar, o culpado do episódio foi questionado pela polícia e foi imediatamente banido."

Shaqiri já foi punido pela Fifa por se envolver em polêmicas diplomáticas. Na Copa do Mundo de 2018, na Rússia, o atleta e seus companheiros de seleção Granit Xhaka e Stephan Lichtsteiner foram multados por seus gestos após os gols na vitória por 2 a 1 contra a Sérvia.

Os jogadores comemoram com um gesto que imita a água de duas cabeças, que é símbolo da união das populações albanesas dos Bálcãs.

Na Sérvia, o gesto foi considerado uma provocação, com forte conotação política. Belgrado não reconhece a independência da ex-província de maioria albanesa.

Lichtsteiner não tem laços com o Kosovo, mas imitou o gesto nas comemorações.

A Fifa anunciou multas de 8.660 euros (à época cerca de R$ 38.000) para Xhaka e para Shaqiri e de 4.330 (cerca de R$ 19.000) para Lichtsteiner.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos