Sétimo no grid e com 'sorriso no rosto', Barrichello vê chances de vitória em Goiânia

motorsport.com

É consenso no grid da Stock Car que pilotos e equipes ainda estão aprendendo em como tirar o melhor do novo carro da categoria, independentemente da montadora, seja Chevrolet ou Toyota.

A regra não muda mesmo para aqueles mais experientes, como Rubens Barrichello. O ainda recordista de provas da F1 teve participação discreta nos treinos livres, mas conseguiu chegar ao Q2 e sairá da sétima posição na primeira corrida da temporada de 2020 em Goiânia.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Após a sessão que definiu a ordem de largada, Rubinho falou sobre as questões pouco comuns deste sábado.

“É tudo muito novo”, disse Barrichello. “Foi uma classificação super atípica. Os primeiros do campeonato do ano passado foram para pista antes, então, fiquei neste bolo. Eu virei (volta rápida) na minha terceira volta do Q1, que é algo ainda mais atípico, porque geralmente o pneu já subiu de temperatura.”

“Mas, para os pequenos problemas que eu tinha no carro, acho que a sétima posição foi boa.”

Barrichello também exaltou o trabalho da Toyota com o carro da Stock que estreia na categoria, vendo o pole, Ricardo Zonta, que também representa a montadora japonesa.

“Fico feliz de ver um Toyota na frente e, mais feliz, por saber que temos um carro competitivo para lutar pelo pódio e pela vitória amanhã”, afirmou o campeão da Stock Car de 2014, que está em sua oitava temporada na categoria, todas com a Full Time.

Stock Car 2020: acompanhe debate com os pilotos do grid

PODCAST: O debate de fãs e 'haters' sobre domínio de Hamilton na F1

Your browser does not support the audio element.

Leia também