São Paulo peca no ataque e empata sem gols na Argentina

Jogando com uma série de desfalques, o São Paulo estreou com empate na edição 2017 da Copa Sul-Americana. Na noite desta quarta-feira, o Tricolor não saiu do 0 a 0 com o Defensa y Justicia-ARG, no Estádio La Fortaleza, em Lanús, na grande Buenos Aires.

O time treinado por Rogério Ceni deixou o campo com a sensação de que poderia voltar a São Paulo com a vitória. Isso porque o atacante Wellington Nem desperdiçou três boas chances de gol, sendo uma delas no fim da partida.

Por outro lado, o resultado não é visto como ruim, uma vez que o São Paulo viajou à Argentina com 13 desfalques, sendo seis por lesão, três por suspensão e outros três jogadores que foram preservados por conta de desgaste físico.

Antes do jogo de volta na Sul-Americana, marcado para 11 de maio, às 21h45 (de Brasília), no Morumbi, o Tricolor terá de se preocupar com outros mata-matas. A começar pela segundo duelo de quartas de final do Campeonato Paulista, contra o Linense, às 16 horas deste sábado, no Morumbi – o São Paulo venceu a ida por 2 a 0. Também tem o Cruzeiro pela frente, pela quarta fase da Copa do Brasil, nos dias 13 e 19 de abril.

O jogo – O time argentino começou tentando pressionar o São Paulo que, bem postado, não passou sufoco no início da partida. A primeira chance, inclusive, foi da equipe brasileira. Aos 16 minutos, Wellington Nem recebeu lançamento na direita, ganhou do zagueiro e saiu na cara do goleiro. O atacante bateu chapado, com a esquerda, mas Arias se esticou todo e fez a defesa.

À vontade em campo apesar do ambiente hostil, o Tricolor chegou novamente com perigo aos 24 minutos, quando Pratto ganhou na dividida e, no meio de dois marcadores, encontrou Wellington Nem livre. Contudo, mais uma vez, o atacante desperdiçou uma oportunidade clara ao finalizar em cima do arqueiro.

Apesar de ter maior posse de bola no primeiro tempo (58%), o Defensa y Justicia custou a criar jogadas. Precisou que a equipe brasileira errasse na saída de bola para, aos 36 minutos, o atacante Stefanelli receber cruzamento da esquerda e testar na cara de Denis. Sorte para o São Paulo que Breno se meteu no meio e conseguiu desviar a cabeçada.

Buscando dar mais velocidade e criatividade ao São Paulo no segundo tempo, o técnico Rogério Ceni promoveu a entrada do meia Shaylon no lugar do zagueiro Breno, trocando o esquema 3-4-3 pelo 4-2-3-1. A alteração, contudo, não resultou em uma mudança de postura do Tricolor.

O time do Morumbi continuou com dificuldades de criação, apesar de quase não ser ameaçado pelos argentinos – muito em função das boas atuações dos zagueiros e volantes, com destaque para Lucão e Jucilei. Assim, o duelo, ao menos no início da etapa final, permaneceu truncado, com ambos os times apostando na ligação direta.

Sem conseguir entrar na área brasileira, o Defensa decidiu tentar de longe. Aos 18 minutos, o atacante Ríos arriscou da intermediária e Denis fez apenas golpe de vista na bola que passou à esquerda de sua meta. Aos 21, o volante Gutiérrez, após cobrança de falta pela direita, aproveitou rebote, mas mandou para fora.

Assistindo ao crescimento dos mandantes na partida, Ceni mudou de novo: tirou o inoperante Chavez e colocou Junior Tavares, passando Buffarini para a lateral direita e Araruna para o meio. A nova formação, porém, teve pouco tempo de vida, já que o argentino levou o segundo cartão amarelo e foi expulso. Para garantir ao menos o empate, o treinador mandou Wellington a campo no lugar de Shaylon.

Em desvantagem numérica, o São Paulo levou um sufoco nos minutos finais. Aos 40, o atacante Kaprof recebeu na esquerda e saiu na cara de Denis, que espalmou o chute para escanteio. Três minutos depois, a última chance da vitória: Wellington Nem disparou pela esquerda, saiu na cara do goleiro Arias, mas novamente falhou ao finalizar para fora.

FICHA TÉCNICA

DEFENSA Y JUSTICIA 0 X 0 SÃO PAULO

Local: Estádio La Fortaleza, em Lanús (ARG)

Data: 05 de abril de 2017, quarta-feira

Horário: 19h15 (de Brasília)

Árbitro: Jesus Valenzuela Saéz (Venezuela)

Assistentes: Luis Sanchez e Tulio Moreno (ambos da Venezuela)

Cartão Amarelo: Buffarini e João Schmidt (São Paulo); Castellani (Defensa y Justicia)

Cartão Vermelho: Buffarini (São Paulo)

DEFENSA Y JUSTICIA:  Arias; Rivero, Hugo Silva, Bareiro, Barboza e Delgado; Leonel Miranda, Jonás Gutiérrez e Castellani (Elizari); Stefanelli (Andrés Ríos) e Agustín Bouzat (Kaprof)

Técnico: Sebastián Beccacece

SÃO PAULO: Denis; Rodrigo Caio, Breno (Shaylon) (Wellington) e Lucão; Araruna, João Schmidt, Jucilei e Buffarini; Wellington Nem, Andres Chavez (Junior Tavares) e Lucas Pratto

Técnico: Rogério Ceni