São Paulo ficará 17 dias sem jogar se for duplamente eliminado

O São Paulo perdeu por 2 a 0 para Cruzeiro e Corinthians, em pleno Morumbi, e se complicou na Copa do Brasil e no Campeonato Paulista. E, caso não reverta a desvantagem nas casas dos respectivos adversários, nesta semana, ficará 17 dias seguidos sem disputar partidas na temporada.

Período em que o time se prepararia para o duelo de volta contra o Defensa y Justicia-ARG – o jogo de ida terminou empatado por 0 a 0 -, em 11 de maio, pela primeira fase da Copa Sul-Americana, em casa. A estreia no Campeonato Brasileiro está marcada para o dia 14, contra o próprio Cruzeiro, em Minas Gerais.

A primeira eliminação do Tricolor pode acontecer nesta quarta-feira, quando visita a Raposa, no Mineirão, às 19h30 (de Brasília). No domingo, a partir das 16 horas, será a vez de tentar a sorte contra o seu arquirrival, no estádio de Itaquera. Em ambos os casos, precisa vencer por três gols de diferença para conquistar a vaga de forma direta, sem os pênaltis.

O discurso é de brigar até o fim pelas duas improváveis classificações. “Temos que tentar reverter dois resultados difíceis fora de casa. Vamos analisar primeiro a situação do elenco, ver como se apresentam, porque correram muito e se cansaram no segundo tempo, alguns sentindo dores”, disse o técnico Rogério Ceni, após a derrota para o Corinthians, no último domingo, no Morumbi.

Para o confronto com os mineiros, o treinador ainda tem um alento, já que terá à sua disposição os recém-chegados atacantes Marcinho e Morato, além de Sidão, que está recuperado de uma lombalgia. “Na Copa do Brasil podemos variar mais, mas no Paulista o elenco é mais reduzido, com lesões como do Buffarini. Vamos fazer o melhor time”, analisou.

De uma coisa, porém, Ceni tem certeza. Não será agora que o São Paulo abdicará de seu estilo ofensivo. “Vamos trabalhar da mesma maneira como trabalhamos desde 4 de janeiro e o time vai jogar como foi em 20 e tantos jogos, sempre à frente, buscando o gol. Vamos fazer isso novamente, analisar parte física, desgaste e montar o time de acordo com a condição física e técnica para jogar sempre em busca do gol”, assegurou.

“Jogar para frente não será tirado do time por causa de duas derrotas”, acrescentou, sem esconder a chateação pelo mau momento do Tricolor. “Não gosto de perder nem jogos que não valem três pontos. Sou um competidor na acepção da palavra em tudo que fiz na vida, como técnico também, comigo mesmo na parte tática, no desenvolvimento do time. Não me sinto feliz, tranquilo e completo com esses resultados”, refletiu.

“Sem dúvida nenhuma não são as melhores noites dormidas, você não vai embora satisfeito. Pelo contrário, acabo revendo o jogo, o que poderia ter sido feito de diferente”, concluiu.