São 36 gols em 33 jogos! Veja análise detalhada das falhas defensivas mais comuns do São Paulo

Pedro Alvarez *
·4 minuto de leitura


Atualmente na 4ª posição do Campeonato Brasileiro, o São Paulo levou, até o momento, 36 gols na competição. Desses, 26 foram sofridos por finalizações de dentro da grande área tricolor. Problemas como a saída de bola, a pouca proteção à dupla de zaga e, principalmente, uma transição defensiva desorganizada explicam os números do Tricolor após 33 rodadas.

Veja a situação atual do Tricolor na tabela do Brasileirão!

Na partida diante do Internacional, no dia 20 de janeiro, o São Paulo viu, em pleno Morumbi, o Colorado passar por cima sem nem tomar conhecimento, aplicando um sonoro 5 a 1, a maior goleada sofrida pelo Tricolor dentro de seu estádio, no duelo que valia a liderança do Brasileirão.


No jogo, alguns pontos chamaram a atenção, e ilustram muito bem os erros rotineiros da defesa que foram citados anteriormente.

DUPLA DE ZAGA DESPROTEGIDA

Uma crítica recorrente ao sistema defensivo que o ex-treinador do clube, Fernando Diniz -que foi demitido nesta segunda-feira (1)- montou na temporada é o número de vezes em que a dupla de zaga não recebia proteção dos volantes.

No jogo contra o Internacional, o segundo gol da equipe visitante nasce numa falha do lateral Juanfran, que é potencializada pela distancia das linhas de marcação, que deixam os zagueiros Léo e Bruno Alves numa situação complicada.

Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran
Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran

Falha de Juanfran no segundo gol do Inter (Reprodução/Rede Globo)

Como a imagem mostra, há um enorme buraco entre a linha de defesa e a linha de meio de campo, que, mesmo com o volante Luan jogando, não conseguiu proteger a dupla de zaga.

Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran
Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran

Zaga não conta com apoio dos volantes (Reprodução/Rede Globo)

Com Léo dividido entre barrar a entrada de Yuri na área e cortar a linha de passe para Caio Vidal, o atacante Colorado ganha tempo para pensar a jogada, enquanto seu companheiro ganha distância ao correr contra Reinaldo, que não estava alinhado com os zagueiros, na ponta.

Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran
Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran

Passe passar por baixo das pernas de Léo (Reprodução/Rede Globo)

Com tempo para pensar, Yuri Alberto enfia a bola para a chegada de Caio, que, mesmo perdendo um pouco o tempo da bola, chega antes do marcador e finaliza, aumentando o placar.

Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran
Segundo gol do Inter contra o São Paulo no Morumbi nasceu em erro de Juanfran

Gol do Internacional (Reprodução/Rede Globo)

TRANSIÇÃO DEFENSIVA

Como anteriormente citado, a transição do campo de ataque para o de defesa feita pela equipe do São Paulo, ao perder a bola, também causa sérios problemas.

No quarto gol dos visitantes, a lentidão do, naquele momento zagueiro, Luan e o posicionamento de Tchê Tchê, foram o suficiente para o triunfo do Inter.

No quarto gol, o Inter se aproveitou da má transição defensiva do São Paulo
No quarto gol, o Inter se aproveitou da má transição defensiva do São Paulo

Falha na transição defensiva abre espaços (Reprodução/Rede Globo)

É interessante notar que o erro do Tchê Tchê nasce, na verdade, da necessidade de marcar o atacante Yuri Alberto, pois, por causa da dificuldade de Luan em reintegrar a linha de defesa e, pela posição de Bruno Alves, o centro avante teria espaço e estaria em posição legal.

Ou seja, o erro na transição resulta num erro de posicionamento, que é o responsável pelo caminho encontrado pelo Inter para fazer o gol.

No quarto gol, o Inter se aproveitou da má transição defensiva do São Paulo
No quarto gol, o Inter se aproveitou da má transição defensiva do São Paulo

Com Luan voltando para a linha e o avanço do ataque adversário no espaço vazio entre as linhas do São Paulo, Tchê Tchê sobe para dar combate no Peglow.

Entretanto, o movimento é tanto atrasado como precipitado. Atrasado pois ele não chega a tempo de impedir o passe. Precipitado pois ele não espera Luan chegar de fato na linha de defesa, fazendo com que Yuri Alberto ficasse desmarcado e em posição legal, uma vez que Bruno Alves seguiu recuado na linha de defesa.

No quarto gol, o Inter se aproveitou da má transição defensiva do São Paulo
No quarto gol, o Inter se aproveitou da má transição defensiva do São Paulo

Yuri Alberto tem caminho aberto ao gol (Reprodução/Rede Globo)

O passe é feito e Yuri, que já estava em movimento, supera Bruno Alves, que precisou se virar e começar a correr após o passe, e Luan, que ainda estava voltando para a posição.

Resultado, sai cara a cara com Volpi, o dribla e faz o gol.

Uma observação é que outro erro causado pela má transição é que Reinaldo larga o lado esquerdo para tentar, tardiamente, ocupar o território vazio aproveitado por Peglow. Além de abrir o corredor para uma possível corrida de Edenílson, não estava junto com a zaga quando Yuri faz o gol , no qual o atacante cortou justamente para o lado da defesa comumente ocupado por Reinaldo.

SAÍDA DE BOLA

A saída de bola é um divisor de águas. Alvo de muitos elogios e de inclusive destaque para Diniz, a saída pelo chão, nunca "no chutão", também rende algumas falhas para a equipe, atraindo críticas.

Isso acontece porque, além de ser difícil sair com toque de times que pressionam bem a saída, a tática de Diniz já foi captada e estudada por outros treinadores, uma vez que o ex-técnico do São Paulo se recusa a abrir mão deste artifício.

Abel Braga, treinador do Internacional, percebeu esse costume de Diniz e fez questão de trabalhar para pressionar essa saída pelo chão.

O terceiro gol do Colorado exemplifica isso.

O quarto gol do Colorado foi marcado após erro na saída de bola do São Paulo
O quarto gol do Colorado foi marcado após erro na saída de bola do São Paulo

Com poucas opções, Volpi saiu para o ataque (Reprodução/Rede Globo)

É importante notar o momento que inicia a jogada do São Paulo. São sete jogadores do time dentro da grande área, contra três adversários.

* Sob supervisão de Marcio Monteiro