Russos 'picham' pelo de urso polar e pesquisadores entram em alerta

'T-34' é o nome de um famoso tanque de guerra soviético (Foto: Sergei Kravy/Facebook/BBC)
'T-34' é o nome de um famoso tanque de guerra soviético (Foto: Sergei Kravy/Facebook/BBC)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Animal apareceu com o nome de um tanque de guerra soviético escrito na pelagem

  • Cientistas temem que a pintura atrapalhe a camuflagem do urso

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Vídeos compartilhados nas redes sociais russas de um urso polar com o símbolo “T-34” pintado com tinta spray em seu pelo preocupam cientistas. As autoridades agora trabalham para definir onde – e por quem – as imagens foram feitas.

Os pesquisadores alertam que a pintura pode atrapalhar a habilidade do urso polar de se camuflar, e impedi-lo de caçar e se esconder. Pode levar semanas para a pichação desaparecer da pelagem do animal.

Leia também

O símbolo “T-34” é o nome de um icônico tanque de guerra soviético que teve papel crucial na derrota da Alemanha nazista para a União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial. O motivo pelo qual a pintura foi feita continua um mistério.

Sergey Kavry, membro da ONG ambiental WWF, foi o primeiro a postar o vídeo no Facebook. Ele conta que recebeu o arquivo em um grupo de WhatsApp do povo indígena de Chukotka, do extremo leste da Rússia. Kavry diz à BBC que a pichação provavelmente não foi feita pelos cientistas que monitoram a vida selvagem na região, e comenta que, caso seja realmente uma referência à sigla militar, “pode ser algum tipo de desrespeito perverso pela história".

A dificuldade na camuflagem não é a única preocupação dos cientistas: Anatoly Kochnev, cientista do Instituto de Problemas Biológicos do Norte, acredita que quem pintou o pelo do urso polar provavelmente o sedou de alguma forma antes.

Para a imprensa russa, a pintura pode ter relação com o aumento do número de ursos polares circulando por cidades no Ártico russo – fenômeno que causa irritação nos moradores dessas regiões. Em Novaya Zemlya, foi decretado estado de emergência em fevereiro por conta dos animais que andam pelas cidades pequenas procurando comida.

Leia também