Russell vence GP São Paulo de F1, e 'brasileiro' Hamilton completa dobradinha da Mercedes

SÃO PAULO-SP, BRASIL 13-11-2022 - CORRIDA DA FÓRMULA 1 - Piloto da Mercedes, George Russell,  na corrida principal do GP São Paulo de F1, no autódromo de Interlagos. (Foto: Ronny Santos/Folhapress, ESPORTE)
SÃO PAULO-SP, BRASIL 13-11-2022 - CORRIDA DA FÓRMULA 1 - Piloto da Mercedes, George Russell, na corrida principal do GP São Paulo de F1, no autódromo de Interlagos. (Foto: Ronny Santos/Folhapress, ESPORTE)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O inglês George Russell, da Mercedes, conquistou a primeira vitória de sua carreira no GP São Paulo de F1 neste domingo (13). Uma vitória incontestável na qual o britânico liderou de ponta a ponta e terminou à frente do seu colega de equipe, Lewis Hamilton, e do espanhol Carlos Sainz, da Ferrari.

Dito isso, a simbiose entre Hamilton e os fãs brasileiros é o que mais chama atenção no autódromo de Interlagos.

O heptacampeão, que largou da segunda posição, mas sofreu com uma batida do holandês Max Verstappen, teve que fazer uma corrida de recuperação para consolidar a dobradinha da Mercedes no pódio. Já o holandês, campeão da atual temporada com quatro corridas de antecedência, terminou em 6º lugar.

A vitória tranquila de Russell não reflete a temperatura do circuito em Interlagos.

Logo após a largada, o australiano Daniel Ricciardo, da McLaren, e o dinamarquês Kevin Magnussen, da Haas, bateram na primeira volta. 13º colocado no Mundial de Pilotos, Magnussen havia conseguido uma surpreendente pole position para a corrida sprint, classificatório, ocorrido no sábado (12), para a corrida oficial deste domingo.

Depois que o safety car saiu da pista, Russell segurou a liderança, enquanto Lewis Hamilton e Max Verstappen travaram um duelo à parte, com direito ao toque do holandês no carro do inglês.

A colisão rendeu uma punição de cinco segundos para Verstappen --o mesmo para Lando Norris, da McLaren, depois de ter batido na Ferrari de Charles Leclerc, que rodou na pista e voltou com o bico quebrado.

O público brasileiro passou a ser ainda mais duro com o holandês, que correu sob vaias. Para Hamilton, aplausos. Nesse cenário, o inglês fazia uma prova de recuperação e chegou a assumir a liderança provisória da corrida no momento em que Russell foi para o boxes.

Coube a Emerson Fittipaldi, 75, primeiro brasileiro a vencer na categoria e a conquistar o Mundial de Pilotos (1972), a missão de dar a bandeira final. "É algo que traz uma lembrança muito forte desde que eu comecei a correr em Interlagos, desde que eu corri de motocicleta, das tantas corridas que eu fiz", disse Fittipaldi, que neste ano concorreu a uma vaga no Senado da Itália, mas não foi eleito.

O GP São Paulo neste domingo, realizado duas semanas depois das eleições mais tensas do país, transcorreu de forma tranquila. O momento mais quente ocorreu logo depois que a cantora Iza, acompanhada da Orquestra Sinfônica de Heliópolis, cantou o hino nacional do Brasil. Parte do público deu início ao grito de "Mito", e a outra respondeu com "Lula".

Essa disputa verbal entre os apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durou poucos minutos, até o momento em que foi dada a largada.

Antes de a corrida começar, a reportagem localizou dois homens próximos de um dos portões de acesso ao autódromo distribuindo folhas, em formato A4, com a bandeira do Brasil e a mensagem #BrazilWasStolen [O Brasil foi roubado]. No material, a frase Ordem e Progresso foi substituída por "Censura não!".

Os manifestantes, que não quiseram revelar seus nomes, explicaram que o objetivo é aproveitar a corrida de F1 para mostrar à mídia mundial o quanto os apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) estão sob censura.

A campanha obteve adesão de uma minoria. O ponto mais alto talvez, foi no momento em que alguns fãs de F1 levantaram os cartazes e chamaram o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de ladrão. "Ninguém é mau perdedor, a contestação é porque não teve transparência e só queríamos eleições justas", disse a empresária Letícia Feller Pereira, 27.

A próximo e última corrida da F1 será no domingo (20), em Abu Dhabi.

Veja a classificação completa do GP de São Paulo

1 - Russel (Mercedes) - 1h38min34s044

2 - Hamilton (Mercedes) - 1s529 atrás

3 - Sainz (Ferrari) - 4s051

4 - Leclerc (Ferrari) - 8s441

5 - Alonso (Alpine) - 9s561

6 - Verstappen (Red Bull) - 10s056

7 - Perez (Red Bull) - 14s080

8 - Ocon (Alpine) - 18s690

9 - Bottas (Alfa Romeo) - 22s552

10 - Stroll (Aston Martin) - 23s552

11 - Vettel (Aston Martin) - 26s183

12 - Zhou (Alfa Romeo) - 29s325

13 - Schumacher (Haas) - 29s899

14 - Gasly (Alpha Tauri) - 31s867

15 - Albon (Williams) - 36s016

16 - Nicholas Latifi (CAN, Williams Mercedes) - 37s038

17 - Tsunoda (Alpha Tauri) - 1 volta

18 - Norris (McLaren) - 21 voltas

Não completaram

Magnussen (Haas)

Ricciardo (McLaren)