Ronaldinho e os ‘60 longos dias’ de quarentena no Paraguai

Goal.com

O período de isolamento social tem sido diferente para todas as pessoas. Mas para um brasileiro em especial, esse período tem sido bastante inusitado. Ronaldinho Gaúcho está cumprindo prisão domiciliar em um hotel no Paraguai e contou sobre como foram os ‘60 longos dias’ que ele cumpriu de quarentena até o momento.

“Temos um excelente tratamento. Temos tudo bem ordenado, somos muito calmos, e eles fazem de tudo para passar da maneira mais agradável possível. Já são 60 longos dias”, disse em entrevista ao diário espanhol Mundo Deportivo.

Ronaldinho está no luxuoso Hotel Palmaroga, com seu irmão Assis, desde abril, quando deixou o presídio de Agrupación Especializada. Enquanto mantém a forma na academia do hotel, a dupla aguarda o final do julgamento para poder retornar ao Brasil.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Fazemos esportes e academia quase todos os dias. Temos uma academia onde podemos trabalhar e uma sala que foi adaptada para nós. Espero que em breve tudo volte ao normal e que possamos voltar para nossas casas. Espero que tudo seja como antes”.

Mas apesar de todo o aparato que vem recebendo, o duas vezes melhor do mundo revelou que esse período não tem sido fácil para ele, principalmente por não poder fazer o que mais gosta, o que também está acontecendo com boa parte das pessoas em quarentena.

“As pessoas em suas casas devem imaginar como deve ser não poder fazer o que você está acostumado. Eu acho que é algo que permanecerá para sempre em todos nós depois de viver essa experiência complicada”.

Desde quando estava detido em Agrupación Especializada, Ronaldinho vem recebendo apoio de muitos fãs e muitos jogadores de futebol, que foram companheiros do brasileiro ao longo de sua brilhante carreira. Um desses jogadores foi Puyol, que ligou para o amigo para mostrar seu apoio.

“O relacionamento que temos é muito especial. Foi lindo o que tivemos no Barcelona, com todos os companheiros”, destacou. “Sou jogador de futebol por amor e profissão. Eles me conhecem bem e sabem que não tem sido fácil. As palavras de apoio são importantes para sair desta tempestade o mais rápido possível”, completou.

Ronaldinho e seu irmão estão sendo acusados de portar documentos falsos e estão detidos desde março deste ano. Além da dupla, outras duas mulheres foram ligadas ao caso e detidas. As duas teriam, em janeiro, solicitado os passaportes que estavam em posse dos irmãos quando eles foram abordados no hotel em que estavam hospedados em Assunção.

Leia também