Rollo conta com classificação na Copa do Brasil para honrar salários do Santos em novembro

Fábio Lázaro
·2 minuto de leitura


Passar para as quartas de final da Copa do Brasil não é só uma necessidade técnica para o Santos, mas também financeira.

Em entrevista coletiva virtual concedida nesta sexta-feira (30), o presidente Orlando Rollo admitiu que utilizará a sua entrada na CBF para solicitar o adiantamento da cota de R$ 3,3 milhões caso o Peixe bata o Ceará na próxima quarta-feira (04), às 19h, no estádio do Castelão, em Fortaleza, pelo jogo de volta das oitavas de final da competição. Nesta quarta-feira (28), na Vila Belmiro as duas equipes empataram em 0 a 0, com isso o vencedor no confronto de volta ficará com a vaga - um novo empate por qualquer resultado leva a decisão para os pênaltis.

- Santos é bem recebido na CBF, FPF, Conmebol. Santos tem protagonismo. A maior prova disso é trazermos a live do sorteio da Conmebol para a Vila Belmiro. Temos excelente relacionamento com Rogério Caboclo, Reinaldo Carneiro Bastos e, se o Santos passar de fase e precisamos mais do que nunca, não só pelo aspecto esportivo, mas financeiro. Não tenha dúvida que se o Santos passar, e vai passar, eu nem desço em Santos de Fortaleza. Eu vou para todos os jogos. E vou direto para o Rio de Janeiro pedir adiantamento. Estamos desesperados e não me envergonho. Estamos tentando salvar o Santos - disse o mandatário santista.

Rollo também tem buscado outras alternativas para honrar os vencimentos de novembro, entre eles a busca de novos patrocinadores. Atualmente, o Alvinegro conta com oito empresas parceiras, mas recentemente viu a a Orthopride rescindir o vínculo que tinha duração até fevereiro de 2021 por não concordar com a contratação do atacante Robinho, condenado em primeira instância por crime de violência sexual na Itália, pelo Santos. O jogador teve o seu contrato suspenso para poder responder judicialmente às acusações que tramitam em julgado.

Além disso, o Peixe não conta com um patrocinador máster desde 2018, quando a Caixa Econômica Federal rompeu o vínculo com o clube.

- Precisamos de dinheiro para salários, está difícil. Santos não recebe substanciais. Santos adiantou tudo, só temos recebíveis a partir da semana que vem. Passo chapéu, nosso marketing trabalha, mas eu também procuro empresas. Eu trouxe um dos patrocinadores por causa da minha relação com Hanie Issa, CEO da Tekbond. Procuramos soluções para pagar salário, folha é inchada. Estamos resolvendo. Pagamos folha do mês passado depois de bater na porta da FPF e CBF. Conseguimos pagar a folha do mês passado. Essa está difícil, mas esforço não vai faltar.

Ainda que passe de fase na Copa do Brasil e consiga o adiantamento da premiação da classificação, o valor de R$ 3,3 milhões corresponde a apenas parte da folha salarial santista que hoje gira em torno de R$ 7,5 milhões.