Roger encontra time, Fluminense tem atuação sólida no segundo tempo e tenta ajustar detalhes por equilíbrio

·3 minuto de leitura


Depois da perda do título do Carioca para o Flamengo, Roger Machado admitiu que precisava rever a escalação do Fluminense. Desde então, o treinador decidiu sacar Luiz Henrique e Kayky para ter Caio Paulista e Gabriel Teixeira. Nos três jogos com as mudanças, o treinador parece ter começado a encontrar o equilíbrio. A vitória por 2 a 0 sobre o Red Bull Bragantino, na ida da Copa do Brasil, mostra um time que ainda sofre no primeiro tempo, mas sobe o sarrafo quando consegue fechar os espaços e aproveitar seus melhores jogadores.

> ATUAÇÕES: Yago Felipe e Martinelli ditam o ritmo na vitória do Fluminense pela Copa do Brasil

O Flu parece ter encontrado uma forma eficiente de jogar abrindo mão da posse de bola e apostando em um volume nos contragolpes para chegar ao ataque. Mesmo assim, o primeiro tempo relembrou velhos problemas que a equipe parecia ter superado, como o grande espaço no meio-campo, muito em função da partida de Nene, que não viveu sua melhor noite. Sem Cazares, Roger novamente demorou até mexer e dar minutos a Paulo Henrique Ganso, que viverá semana decisiva por seu futuro.

Veja os confrontos da Copa do Brasil

Ganso é desejo de Fernando Diniz no Santos e deve ter uma definição sobre seu destino nos próximos dias. Fato é que neste momento, com Cazares na seleção do Equador, caso a transferência se concretize, o Fluminense ficará sem opção imediata no banco de reservas para o setor. Com os titulares à disposição, o camisa 10 ainda não ganhou oportunidades de iniciar as partidas e jogou, no máximo, 15 minutos.

Na partida da última quarta-feira, contudo, o esforço coletivo do Fluminense conseguiu superar esse velho problema no setor de criação da equipe. Os volantes Yago Felipe e Martinelli conseguiram cumprir tanto o papel na defesa quanto no ataque, e Fred, principalmente na etapa final, foi por vezes até o meio de campo buscar o jogo para ajudar na construção das jogadas.

Um lance que reflete bem este cenário foi o do primeiro gol. Caio Paulista foi até o campo de defesa e conseguiu desamar Helinho. Em seguida, o camisa 70 encontrou Yago Felipe, que esticou a bola para Fred. O camisa 9 estava no meio-campo e tabelou com Gabriel Teixeira para abrir o placar no Maracanã aos 15 minutos da etapa final. O quarteto que construiu o gol, inclusive, foi o destaque desta vitória.

Por outro lado, o Fluminense não pode contar sempre com esse "esforço coletivo" para ganhar jogos. No primeiro tempo, o Tricolor pouco criou e, consequentemente, conseguiu apenas uma finalização na direção do gol de Júlio César, em um chute de Yago Felipe de fora da área. Esse desempenho, inclusive, poderia ter custado caro, caso Lucas Evangelista tivesse acertado o chute aos 33 minutos da primeira etapa, que passou rente a trave do goleiro Marcos Felipe.

No fim, tudo acabou dando certo com as orientações dadas no vestiário no intervalo. O Fluminense encontrou a tão necessária regularidade, teve uma atuação sólida e segue mostrando que pode sonhar com coisas grandes na temporada quando consegue anular as dificuldades. A equipe volta a entrar em campo neste domingo, às 11h, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro diante do Cuiabá, em São Januário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos