Rogério Ceni minimiza gramado e admite baixa produção ofensiva do Flamengo

LANCE!
·2 minuto de leitura


Rogério Ceni deixou o Castelão, neste sábado, insatisfeito com o resultado - empate sem gols com o Fortaleza - e a atuação do Flamengo, que pouco criou durante os 90 minutos e, com o resultado, perdeu o segundo lugar da tabela para o Atlético-MG. Admitindo a baixa produção ofensiva da equipe, o técnico minimizou a condição do gramado e mostrou confiança na briga pelo título.

- Produzimos abaixo do que esperávamos. O gramado é uma parte secundária. Talvez tenha influenciado na parte do pênalti, que o Pedro escorregou. Não adianta usar o gramado como desculpa - avaliou Ceni, antes de complementar:

- Com certeza absoluta (acredita no título brasileiro). Não se pode trabalhar no Flamengo se não acredita que pode ser campeão. Independente da diferença de pontos que termine esta rodada, é completamente possível diminuí-la e chegar na última rodada jogando pelo título - seguiu o técnico do Rubro-Negro.

Confira outras respostas do técnico Rogério Ceni, do Flamengo:

Desempenho do Everton Ribeiro
É um jogador de criatividade, a função dele é fazer a bola correr. O lado dele, com o Isla, está mais prejudicado, estão mais sozinhos, o jogo acontece mais pelo lado esquerdo, com o Gerson. Precisamos apresentar um terceiro jogador para se apresentar para ele.

Retorno ao Castelão

É um prazer voltar e ver os caras que treinei. A dificuldade que o Flamengo enfrentou se deve ao sistema de três anos que foi montado justamente para enfrentar times como o Flamengo, Atlético-MG, Internacional. Acho que o Fortaleza pode chegar na Sul-Americana. Tem jogadores e futebol para isso.

Desempenho ofensivo
Se tivéssemos feito um gol no primeiro tempo, talvez o Fortaleza se abrisse mais. Jogam muito próximos, com duas linhas, se defende bem. Individualmente não tivemos uma produção normal. Nossos homens de frente foram bem marcados, mas não conseguimos marcar nas oportunidades que tivemos.