Rogério Caboclo é afastado da CBF pela Justiça do Trabalho por um ano

·1 minuto de leitura


O dirigente Rogério Caboclo foi afastado pelo Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro por um ano da CBF, de acordo com o portal "GE". Em liminar, a juíza Aline Maria Leporaci Lopes decidiu que o presidente afastado deverá se manter longe da Confederação até setembro de 2022 para proteger as funcionárias que acusaram o cartola.

> Confira a classificação atualizada do Brasileirão 2021 e simule as rodadas!

O tribunal também determinou uma multa de R$ 500 mil por dia caso Caboclo ou a CBF desobedeçam a decisão. O cartola nega as acusações, afirmando que elas fazem parte de uma tentativa de golpe do ex-presidente Marco Polo Del Nero, banido do futebol pela Fifa.

Caboclo foi afastado pela Comissão de Ética da CBF por 30 dias em junho deste ano, após a primeira denúncia de assédio sexual e moral. Desde então, a pena aumentou para 15 meses, para que a Confederação pudesse investigar as outras duas acusações que foram feitas contra o cartola.

+ Conheça o novo app do LANCE! e fique por dentro dos resultados e notícias!

A decisão da Comissão de mantê-lo afastado por esse período, contudo, ainda precisa ser ratificada pela Assembléia Geral da CBF (formada pelos presidentes das federações estaduais). Por enquanto, a decisão da Comissão de Ética da Confederação tem carácter apenas sugestivo e ele é mantido afastado do cargo pela justiça.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos