Rodrigo Calvozzo: Viva! Vivemos no País das Maravilhas

Sou do tempo em que na semana de Fla x Flu em todas as esquinas e cantos do Rio de Janeiro, mesmo que você não quisesse, ouvia algum comentário ou gozação vinda de um lado ou de outro. Sendo uma decisão de Taça Guanabara então aí que a coisa piorava ainda mais!

Ainda não sei se o que mudou foi o futebol ou toda a cidade, pois atualmente o que se vê por aí em nada lembra esse cenário. Nostalgia à parte, até achar informação sobre o clássico desta semana é complicado. Por enquanto o assunto mais falado é sobre o local da partida que decidirá a fase mais tradicional do campeonato estadual. Vale lembrar que estamos há dois dias deste jogo e nossos dirigentes ainda não estão totalmente seguros em dizer que a partida será mesmo no Estádio Nilton Santos e muito menos informar quem poderá assistir este evento.

Protesto jogadores Flamengo Fluminense Carioca 05042015


(Foto: Gilvan de Souza / CR Flamengo/ Divulgação)

Sim, é verdade que é “chover no molhado” criticar os organizadores desta competição, mas tem outro jeito? Para complicar ainda mais, entra em cena o Ministério Público para colocar novos ingredientes, que comprovam a tese de que devemos viver no País das Maravilhas ou em um universo paralelo.

Vamos aos fatos! A Ferj alega que teve pouco tempo para solucionar o problema, afinal de contas tivemos o carnaval nesta semana e tudo fugiu de seu controle. Opa! Um momento! A discussão a respeito de local para jogos decisivos não é algo inédito por aqui. Há uma semana a dúvida era exatamente a mesma, acontece que naquele momento eles preferiram achar uma solução momentânea e que jogava para frente a remediação verdadeira para a crise. Mesmo assim, diante dessa situação, o encontro dos responsáveis pela solução do problema aconteceu apenas após o término do carnaval!

Richarlison - Rafael Vaz Fluminense vs Flamengo 26062016


(Foto: Nelson Perez / Fluminense FC / Divulgação)

Sem sucesso no objetivo de derrubar a liminar que impede a presença de duas torcidas no mesmo estádio, agora surge uma bandeira branca, vinda do MP, sugerindo que um Termo de Ajuste de Conduta seja assinado para que todos estejam liberados para comparecer aos jogos a partir da próxima semana! Neste documento, que não valerá para a partida que define a Taça GB, as entidades esportivas estarão sujeitas a multas, caso “torcedores” sejam flagrados em brigas, mesmo fora dos estádios.

Se algum clube concordar com isso, sugiro que esses representantes sejam empossados imediatamente como Secretários de Segurança da Cidade Maravilhosa, pois dar uma garantia dessa acho que nem o Batman seria capaz de fazer!

Pedro Abad Presidente Fluminense e Eduardo Bandeira de Melo Presidente Flamengo 02 03 17


Os presidentes de Fluminense e Flamengo demonstram união (Foto: Divulgação)

Pior do que propor tal absurdo, foi ouvir o Promotor, o Sr. Rodrigo Terra, dizer que infelizmente desconhece o perfil desses baderneiros! Que me desculpe, mas no meu entender, esperava que alguém envolvido neste assunto tivesse no mínimo esse tipo de informação. Ou será que alguém acredita que essas pessoas deixarão mesmo de criar confusões pois estão preocupadas com a multa que sua equipe receberá no futuro? Com toda sinceridade, acredito que essas pessoas são integras e querem o melhor para o nosso futebol, mas do mesmo jeito vejo uma total alienação de um assunto que em tese deveria ser sua especialidade.  

Sou totalmente contra a realização desses jogos com torcida única, que no meu entender é a confirmação da falência e serve como um atestado de incompetência do Estado em realizar qualquer tipo de evento. Para fazer algo mais ou menos, com o famoso jeitinho, é melhor nem se propor a fazer. Fecha o portão e admite que não é capaz de organizar este tipo de coisa. Tenho certeza de que vai ter cartola satisfeito, pois pelo que vemos por aí, eles ficam cada vez mais felizes a cada redução de público nos jogos. O mais importante é maquiar os índices de ingressos vendidos e aumentar a arrecadação junto às emissoras de TV. O público e o futebol que se danem, afinal de contas, vivemos no País das Maravilhas.