Roberto Dinamite, ídolo do Vasco, fez ponta em novela e foi tema de samba-enredo

*** FOTO DE ARQUIVO *** RIO DE JANEIRO, RJ, 06.08.1978 - Futebol: o jogador Carlos Roberto de Oliveira, conhecido como Roberto Dinamite, durante partida de Vasco e Guarani, no Rio de Janeiro (RJ). (Foto: Manoel Pires/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** RIO DE JANEIRO, RJ, 06.08.1978 - Futebol: o jogador Carlos Roberto de Oliveira, conhecido como Roberto Dinamite, durante partida de Vasco e Guarani, no Rio de Janeiro (RJ). (Foto: Manoel Pires/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Roberto Dinamite, maior ídolo da história do Vasco, que morreu neste domingo (8) vítima de um câncer, participou da novela "Que Rei Sou Eu", de 1989, da TV Globo.

Vestindo a camisa da seleção brasileira, com a qual disputou as Copas do Mundo de 1978 e 1982, ele contracenou com o ator Luis Gustavo, que interpretava Charles Miller, o introdutor do futebol no Brasil. O personagem havia sido enviado pela rainha da Inglaterra para vender o esporte ao reino de Avilan. Já Dinamite, era Bobby, que tentava ensinar a nobreza a jogar bola.

"Não era a minha praia, mas me senti honrado ao receber o convite de pessoas de uma área tão importante da TV", disse ele, numa entrevista ao Portal Vasco Notícias. "Minha praia era jogar futebol, fazer gols, e a TV acontecia uma vez ou outra. Foi interessante, engraçado até. Não tinha fala, mas foi legal, era uma sátira sobre o futebol."

Dinamite já tinha feito uma ponta às telas nos programas de humor de Didi e Chico Anysio, tendo participado de uma esquete de "Os Trapalhões" em 1977, no qual o personagem de Renato Aragão tentava levar sua mulher para uma lua de mel dentro da concentração do time.

Também em 1989, o ídolo vascaíno seria também homenageado em um samba-enredo, da pequena agremiação Boêmios de Inhaúma.

"Hoje a bola vai rolando/ A galera delirando/ Dinamite explodindo/ E as redes balançando/ [...] Vamos todos cantar de coração/ Com dinamite na avenida há explosão", diz a letra, mencionando o início do hino do Vasco.

Os anos 1980 foram dourados para o artilheiro, que teve sua fama catapultada por cinco títulos do Campeonato Carioca —1977, 1982, 1987, 1988 e 1992.