Roberto de Andrade: "O Basta! foi dado sobre gastos no Corinthians. Precisamos recuar"

Alexandre Praetzel
·5 minuto de leitura
Jonathan Cafu só disputou dois jogos pelo Corinthians e virou exemplo de mau uso do dinheiro do clube. Foto: Bruno Ulivieri/AGIF
Jonathan Cafu só disputou dois jogos pelo Corinthians e virou exemplo de mau uso do dinheiro do clube. Foto: Bruno Ulivieri/AGIF

O Corinthians vive sua pior crise financeira na história e resolveu apertar o cinto. Com dívida na casa do R$ 1 bilhão(sem o financiamento do estádio), a conta chegou com força, mesmo com o Corinthians ganhando grandes títulos, na década passada. 

>> Ouça o 'Segunda Bola', o podcast do Yahoo com Alexandre Praetzel e Jorge Nicola

O ex-presidente Roberto de Andrade, hoje diretor de futebol, admitiu que é preciso dar um passo atrás e recuar para o Corinthians se manter competitivo lá na frente. 

Leia também:

Em entrevista exclusiva à Rádio Bandeirantes, com a presença do blog, Roberto reclamou da pressão no futebol, avaliou as condições do time e deixou claro que não haverá mais loucuras no departamento de futebol. Confiram. 

Mancini está muito pressionado até o próximo jogo?

A pressão começa quando o treinador chega num clube, ainda mais no Corinthians. Em 2011, perdemos para o Tolima logo no início e queriam que a gente demitisse o Tite. Tite não saiu e eu fiquei respondendo que o Tite não iria embora até agosto e terminamos campeões. Hoje cada pessoa tem um canal, blog, um twitter. Tudo isso inflama todo torcedor. Ninguém tem responsabilidade com o que fala. É difícil conviver. A pressão vem de lugares que a gente não sabe quem são. Torcedor acaba lendo e isso está se tornando algo gigantesco e perigoso. Não se pode mais perder no futebol. Perde um jogo e acontece confusão como acontece no Corinthians, Palmeiras e Santos. Ninguém entende que o treinador poupou jogadores, escalou a meninada e tem um jogo mais importante na frente. Infelizmente, é assim e temos que conviver.

Time do Corinthians está devendo futebol e no seu limite técnico?

Não, não está no seu limite. Essa oscilação entendo que é normal pela mudança de elenco. Não tem como ter a mesma formação com jogo a cada dois dias. Não consegue repetir o mesmo grupo, sendo obrigado a alternar. Jogamos bem contra o Santos e alguns jogadores se destacaram. Quinta, não sei se vai ser o mesmo time, mas tudo isso faz com que oscile. Em algum momento, ao longo do ano, vai se encontrar o time ideal, com conjunto, entrosamento e confiança dos meninos. Hoje, acho normal essa oscilação. 

Em caso de reprovação das contas da última gestão, o que vai afetar a atual diretoria? 

Sempre afeta e preocupa. É bom que o clube esteja estável. O futebol é uma máquina de problemas, sempre tem algum problema. O fato de reprovar as contas da gestão de 2019 não vai mudar nada e só vai prejudicar o clube. O que está feito, está feito. Quando se fala em reprovar contas, tem que ver se tem alguma irregularidade, o que não é o caso. Mas o presidente trouxe um monte de jogadores e não deram certo. Sim, mas não tem nenhum ato de irregularidade. Não teve dinheiro que sumiu e a dívida aumenta pelo número de jogadores. Acho que as contas serão aprovadas, é o que eu penso. 

O Corinthians não tem que dar um basta nos gastos abusivos e lesivos ao clube, como a contratação do Jonathan Cafu?

O Basta! já está dado desde janeiro. O que eu falo às vezes é que você tem expectativa com o jogador e quando vê é outra. Concordo com você. Acertar e errar não tem o que discutir. Não gosto de falar o que os outros presidentes fizeram porque também não gostava que falassem da minha gestão. Temos que olhar para a frente e mudar a mentalidade, com os pés no chão, fazendo as coisas responsáveis. Calma. A hora que pudermos trazer alguém que caiba na folha, que não teremos prejuízo, a gente vai trazer. Neste momento, temos que dar um passo atrás e recuar. Não tem outra saída. Estamos no caminho certo, mas o caminho é longo e é preciso ter paciência para que a gente desfrute no futuro o que está sendo feito agora.

Por que o Cazares não ficou?

Por causa do salário, pô. Temos que baixar a folha, não dá para comportar. Vocês falam sobre isso dia e noite. Quando pensamos na parte financeira, temos que ter responsabilidade. Com as reduções, a folha salarial caiu para R$ 5 milhões, sem impostos. Se precisarmos contratar, vamos contratar uma peça certa para resolver, não ajudar apenas. Não tem ninguém para chegar, neste momento.  

Otero e Jemerson sairão?

Gosto do futebol dos dois, mas o salário está incompatível com o clube. Não posso fazer um novo contrato com salários menores. Eles não dão o mínimo de problema, são exemplares e trabalhadores. É a parte financeira o problema. Com o salário desses jogadores, você pode trazer três jogadores ganhando bem. No momento, não tem ninguém chegando ou saindo. 

Algum clube demonstrou interesse no Luan?

Não. Ninguém, ninguém. Ainda acho que Luan dará retorno tecnicamente ao Corinthians. Ele está tendo sequência com o treinador, o colocando nos últimos jogos. Ele vem numa crescente, pegando confiança. É um grande jogador e ninguém desaprende a jogar. São fases, mas ele pode entregar mais para a gente. O custo está feito, não tem o que fazer. Temos que tentar obter o retorno técnico. Ele veio para isso. 

Corinthians pode ganhar qual competição em 2021 com este elenco?

Nós temos uma molecada chegando, estão subindo a ladeira, crescendo e ficando mais maduros. Não estamos enfraquecidos. Em 2015 e 2017, fomos campeões quando ninguém acreditava. Hoje é difícil falar. Tem Flamengo voando, Palmeiras aqui, São Paulo, tem times fortes. Quantos campeonatos ganhamos sem termos um grande time? 

O Corinthians está classificado para as quartas-de-final do Campeonato Paulista e ainda disputa a fase de grupos da Copa Sul-Americana. A partir de 30 de maio, terá a Série A do Brasileiro e a Copa do Brasil, onde enfrentará o Atlético-GO, na terceira fase do torneio.