Rivais no clássico, Coelho e Mano tentam apagar histórico no Corinthians

MARCOS GUEDES
Folhapress

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O passado alvinegro não é cômodo para nenhum dos treinadores que estarão no banco de reservas do Pacaembu, a partir das 19h, deste sábado (9). Para Mano Menezes, 57, e Coelho, 36, a hora é de esquecer parte do que se passou na última década.

No caso de Mano, técnico do Palmeiras, não convém recordar o sucesso em um momento importante da história do arquirrival Corinthians. Já Coelho, comandante interino preto e branco, prefere deixar para trás um fracasso que marcou sua trajetória.

Em 2006, o paulistano marcou um gol contra decisivo para mais uma dolorosa eliminação do Corinthians na Libertadores. O River Plate venceu no Pacaembu por 3 a 1 diante de uma torcida ensandecida, que tentava invadir o campo para agredir os jogadores.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Dali em diante, mesmo sendo cria da casa e com participação relevante na conquista do Brasileiro de 2005, o lateral-direito não conseguiu mais ter paz no Corinthians. Jogou apenas mais sete partidas em 2006 e, emprestado ao Atlético-MG em 2007, escapou do vexame de fazer parte do rebaixamento no Brasileiro.

Mano Menezes chegou para a reconstrução da equipe e pediu o retorno de Coelho, mas a volta em 2008 durou pouco. Foram só quatro jogos --no último houve uma ríspida discussão com o companheiro Chicão. A torcida no Morumbi gritou o nome do beque e xingou o lateral, substituído sob vaias no 0 a 0 com o Mirassol.

"Nosso torcedor precisa ter o entendimento: não se pode levar coisa de uma temporada para outra", disse Mano, que logo percebeu a inviabilidade do pedido. Dias depois, ainda em fevereiro, o atleta foi novamente para o Atlético-MG.

"Sabemos que isso aconteceu após a repetição de alguns fatos. Conversamos com o Coelho e decidimos que era melhor para o clube e para o jogador", explicou o técnico na ocasião.

Mano ficou e teve sucesso em seu trabalho para reerguer o Corinthians, que passou com enorme facilidade pela Série do Brasileiro em 2008. Em 2009, já com Ronaldo no elenco, vieram os títulos do Paulista e da Copa do Brasil, que devolveram a autoestima aos torcedores e o colocaram na seleção em 2010.

O gaúcho ainda passou novamente pelo Corinthians em 2014, experiência que voltou a atrelar sua imagem ao clube do Parque São Jorge --com vitória no primeiro Dérbi de Itaquera. Por isso, quando surgiu como nome para substituir Felipão no Palmeiras neste ano, muitos torcedores alviverdes torceram o nariz.

"Vejo isso com naturalidade", afirmou o treinador, recordando que outros comandantes, como Oswaldo Brandão, obtiveram conquistas nos dois arquirrivais.

"É só olhar a história dos clubes. Quero seguir a história dos profissionais que fizeram essa vinda com sucesso."

O aproveitamento de 80% nas 15 partidas até aqui minou parte da resistência, mas a birra poderá aparecer em caso de fracasso diante do Corinthians, especialmente com o adversário em crise. Mano sabe disso e poupou boa parte de seus titulares na vitória sobre o Vasco, na última quarta (6).

Estreando no comando interino alvinegro e tentando frear uma série de oito partidas sem vitória, Coelho não teve essa possibilidade. O triunfo por 3 a 2 sobre o Fortaleza lhe deu alguma força, ainda que tenha desgastado os atletas, e agora ele volta ao Pacaembu para encarar o arquirrival.

"A minha história aqui dentro é de alegrias e de tristezas, mas tem uma coisa que fica sempre: tudo o que meus pais têm hoje, minhas filhas, foi o Corinthians que me deu. Só quero retribuir o que o Corinthians me proporcionou", disse Coelho, já sem a mágoa que demonstrou nos tempos de Atlético-MG: "O torcedor do Corinthians é fantástico".

A Fiel não poderá acompanhará das arquibancadas o clássico, mais um de torcida única no estado de São Paulo e válido pela 32ª rodada do Brasileiro. Os corintianos terão de torcer por Coelho contra Mano acompanhando pela transmissão do canal Premiere, no sistema pay-per-view, única opção de TV para o Dérbi.

PALMEIRAS

Weverton; Marcos Rocha, Gustavo Gómez, VItor Hugo e Diogo Barbosa; Thiago Santos, Bruno Henrique e Gustavo Scarpa; Dudu, Zé Rafael e Deyverson (Luiz Adriano). T.: Mano Menezes

CORINTHIANS

Walter; Michel Macedo, Manoel, Gil e Danilo Avelar; Gabriel, Júnior Urso, Mateus Vital, Pedrinho e Janderson; Boselli. T. (interino): Dyego Coelho

Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP)

Horário: 19h deste sábado

Juiz: Vinícius Gonçalves Dias Araújo (SP)

TV: pay-per-view

Leia também