Riot Games paga US$ 10 milhões em acordo de processo de desigualdade de gênero

Márcio Pacheco
Divulgação
Divulgação

A Riot Games, estúdio responsável por League of Legends, pagará pelo menos US$ 10 milhões (cerca de R$ 42 milhões, na cotação do dia) como parte do acordo em um processo de ação coletiva sobre discriminação de gênero.

O processo foi resolvido em agosto, mas novos documentos judiciais revelaram alguns detalhes do acordo.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Conforme relatado pelo jornal Los Angeles Times, um porta-voz da Riot disse: “Estamos satisfeitos por ter um acordo proposto para resolver completamente o processo de ação coletiva. O acordo é outro passo importante adiante e demonstra nosso compromisso em cumprir nossos valores e para tornar a Riot um ambiente inclusivo para os melhores talentos do setor“.

O jornal informou que o dinheiro será destinado a mulheres que trabalharam na Riot Games nos últimos cinco anos. As aproximadamente 1.000 funcionárias identificadas como do sexo feminino que trabalharam na Riot entre novembro de 2014 e o momento da conclusão do acordo serão elegíveis para receber uma parte do acordo.

O valor que cada funcionária atual ou ex-funcionária recebe será determinado em parte pelo tempo em que trabalhou na Riot Games e se trabalhava em período integral ou trabalhava sob contrato.

O processo contra a Riot começou em novembro de 2018, quando duas funcionárias, uma atual e uma ex, processaram a empresa por “discriminação endêmica de gênero e promoção de um ambiente ‘masculino'”.

Leia também