Richarlison endossa coro de protestos na Copa do Mundo: 'Apoio qualquer movimento'

Richarlison tem histórico de se engajar em causas sociais fora de campo (Foto: NELSON ALMEIDA / AFP)


Os protestos na Copa do Mundo ganharam um importante apoio nesta segunda-feira. Engajado com causas sociais, o atacante Richarlison, da Seleção Brasileira, afirmou que não se opõe a nenhum tipo de manifestação no torneio da Fifa.


Em entrevista coletiva após o treino do Brasil no Estádio Grand Hamad, o camisa 9 endossou o coro com pautas como o racismo e a homofobia e disse que "o mundo hoje é perigoso".

- Independentemente de qualquer coisa, temos que respeitar. Não sei o que vão fazer aqui, se vão entrar com faixa, mas eu apoio qualquer ato. Vivemos num mundo perigoso, onde não podemos ter opiniões. Seja contra o racismo ou a favor do movimento LGBTQIAP+. Eu apoio qualquer movimento - declarou o Pombo.

+ Veja a tabela, os jogos e os grupos da Copa do Mundo de 2022

Nos últimos dias, diversas seleções manifestaram o interesse em entrar em campo com a faixa de capitão da "One Love" em apoio ao movimento LGBTQIAP+. A Fifa, porém, ameaçou punir individualmente os capitães e também as seleções, o que fez com que alguns países recuassem na ideia.

Na Inglaterra, por exemplo, o centroavante Harry Kane entraria com tal faixa no braço, mas foi demovido da ideia. O mesmo aconteceu na Holanda. A Alemanha, que joga na quarta-feira, também entraria com a faixa do "One Love" na figura do goleiro Neuer, mas também deve voltar atrás.

+ Veja as chuteiras que 20 craques vão usar na Copa do Mundo 2022

Ao contrário dos países citados, a França decidiu que não iria se posicionar. O goleiro e capitão Hugo Lloris afirmou que "respeitaria o Qatar, assim como gostaria que respeitassem a França".