Retrospectiva LANCE! Em ano confuso, Athletico encerra com o bicampeonato da Sul-Americana

·2 min de leitura


O LANCE! dá continuidade a série de retrospectiva dos clubes brasileiros ao longo de 2021 e o Athletico é o time da vez.

+ Veja no aplicativo do LANCE! o resultado dos jogos da rodada

Após terminar a última temporada sem títulos importantes, o Furacão permaneceu com o mesmo planejamento de colocar o estadual de lado e focar nas copas nacionais e continentais.

Sob o comando de Antonio Oliveira, o time iniciou o Brasileirão a pleno vapor e chegou a liderar a competição para surpresa dos torcedores.

Porém, devido a maratona de jogos e elencos curtos, o Furacão caiu de rendimento e a pressão ficou em cima da comissão técnica.

Dos bastidores, Paulo Autuori tentava acalmar o ambiente e dar respaldo a Antônio Oliveira, que segurava as críticas.

Aos trancos e barrancos, o Athletico deixou a turbulência de lado e focou na Sul-Americana, onde chegou ao mata-mata sem maiores problemas. Em paralelo, a Copa do Brasil entrou em cena e a equipe conseguiu uma vaga na semifinal.

Com os torneios em reta final e o time sem apresentar um bom futebol em campo, a diretoria decidiu pela troca no banco de reservas. Saiu Antônio Oliveira e chegou Alberto Valentim sem o apoio da torcida.

Apesar da pressão, o novo treinador surpreendeu na semifinal da Copa do Brasil e com show de Nikão eliminou o favorito Flamengo.

Decisões

Na Sul-Americana, o ídolo Nikão decidiu e o clube paranaense conquistou o bicampeonato. Já na Copa do Brasil, o Furacão não segurou o Atlético-MG e acabou com o vice-campeonato.

Destaques

Em meio conturbado, Nikão, que ainda não sabe o seu futuro para 2022, encerrou como artilheiro ao anotar 12 gols. Quem também merece um destaque é Renato Kayzer, que chegou a brilhar quando a responsabilidade bateu em sua porta.

David Terans, contratado junto ao Peñarol, mostrou-se um acerto da diretoria, que investiu pesado em sua chegada e obteve o êxito dentro das quatro linhas.

No sistema defensivo, a dupla Thiago Heleno e Pedro Henrique se notabilizaram pela regularidade e no gol Santos se consolidou como um dos principais do país.

Números na temporada: 35 vitórias, 14 empates e 27 derrotas em 76 jogos, com 94 gols marcados e 80 gols sofridos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos