Retrospectiva LANCE 2021: como foi o desempenho dos técnicos do Cruzeiro na temporada

·2 min de leitura
Vanderlei Luxemburgo foi o terceiro comandante da Raposa em 2021, que evitou o rebaixamento à Série C, mas falhou em conquistar o acesso para a primeira divisão-(Bruno Haddad/Cruzeiro)


O ano de 2021 começou e a esperança do torcedor do Cruzeiro voltou, pois depois de uma campanha ruim em seu primeiro ano na Série B, o clube estaria mais “cascudo” e adaptado à segunda divisão nacional. Tanto que a chegada de Felipe Conceição para o lugar de Felipão, foi bem aceita, já que o técnico havia feito boa campanha pelo Guarani em 2020 e teve boa passagem no América-MG, em 2019, quase conseguindo o acesso à elite.

Mas, o roteiro escrito pela Raposa para 2021 não se confirmou em campo e com um início de Série B fraco, pior até do que o de 2020, quando tinha menos seis pontos na tabela de classificação, prejudicando sua campanha no geral. O maior feito de Conceição foi vencer o clássico contra o rival Atlético-MG por 1 a 0, na fase de classificação do Mineiro. Todavia, foi a única alegria de fato do cruzeirense que viu o time fracassar no Estadual e ser eliminado pelo América-MG nas semifinais.

Com Felipe Conceição no comando, foram 19 jogos, com oito vitórias, oito derrotas e três empates, com um aproveitamento de 47,37%. Esse desempenho fez o prestígio inicial do treinador cair por terra e ser demitido.

Porém, a diretoria celeste cometeu seu maior erro do ano, comprometendo qualquer chance de acesso para a primeira divisão , quando optou por ter em seus quadros Rodrigo Pastana na diretoria do futebol, nome controverso e não não aceito pela torcida, e de Mozart Santos, para ser o novo técnico.

Trabalho ruim e ano perdido com Mozart

No comando da Raposa, Mozart Santos não conseguiu dar liga ao time, que emendou uma sequência de 11 jogos sem vencer, com muitos empates , o que transformou a missão de subir em algo praticamente impossível. Mozart ficou à frente do Cruzeiro em 13 jogos, com duas vitórias, sete empates e quatro derrotas, tendo apenas 33,33% de aproveitamento.

Luxa assume para buscar “milagre”

A diretoria cruzeirense sofre pressão do principal parceiro, o empresário Pedro Lourenço, que vê na figura de Luxemburgo, a quem ele queria no clube desde o início do ano, uma solução para ainda manter as chances de acesso.

Luxa, nome histórico da Tríplice Coroa de 2003, iria para a terceira passagem no clube. O efeito inicial foi positivo com vitória na estreia, mas o elenco fraco e algumas falhas na armação do time tiraram de vez qualquer chance de subir e o campeonato do Cruzeiro se tornou uma busca para não cair.

Ao fim do ano, o treinador atuou em 23 partidas, com oito vitórias, 11 empates e quatro derrotas na Série B, conseguindo aproveitamento de pouco mais de 55%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos