Eto'o pede medidas mais estritas na luta contra racismo

Londres, 10 mar (EFE).- O atacante Samuel Eto'o, do Sampdoria, pediu durante um evento em Londres que sejam tomadas medidas mais duras contra o racismo, segundo informações divulgadas nesta terça-feira pela emissora britânica "BBC".

"Temos que aplicar leis mais estritas para lutar contra estes abusos", disse o jogador camaronês durante cerimônia na qual foi agraciado por seu trabalho contra a discriminação racial.

Eto'o, que nesta terça completa 34 anos, recebeu no Palácio de Kensington a Medalha europeia à tolerância por parte do Conselho Europeu sobre Tolerância e Reconciliação.

Durante seu discurso, o atacante lembrou o incidente ocorrido no metrô de Paris envolvendo torcedores do Chelsea, que impediram um homem negro de entrar no vagão em que estavam. O ocorrido, segundo Eto'o, o impactou.

O próprio jogador já foi vítima de racismo algumas vezes. Em 2006, quando defendia o Barcelona, o camaronês ameaçou deixar o gramado em uma partida contra o Zaragoza em La Romareda depois que um grupo de torcedores imitou o som emitido por macacos a cada vez que ele tocava na bola.

Na Itália, no tempo em que Eto'o ainda defendia a Inter de Milão, o árbitro interrompeu uma partida contra o Cagliari na casa do adversário depois que uma parte da torcida local entoou cânticos racistas.

Por fim, o atleta africano negou que a Rússia, país anfitrião da Copa do Mundo de 2018 e onde defendeu o Anzhi de 2011 a 2013, seja um país racista. "Minha experiência na Rússia foi a mais bonita da minha carreira. Saí de lá com a melhor das impressões", destacou. EFE

jp/dr