Flamengo vence Atlético-PR no Maracanã e assume liderança do grupo 4

Rio de Janeiro, 12 abr (EFE).- Em choque de rubro-negros no Maracanã nesta quarta-feira, o Flamengo obteve uma dura e importante vitória sobre o Atlético-PR por 2 a 1 e assumiu a liderança isolada do grupo 4 da Taça Libertadores, que teve ainda o empate entre Universidad Católica e San Lorenzo em 1 a 1 no Chile.

A equipe carioca abriu 2 a 0 com apenas 15 minutos de bola rolando, com gols de Guerrero e Diego, e pareceu ter a partida sob controle. O Furacão reagiu depois do intervalo, diminuiu com Nikão e foi para cima, mas não evitou a derrota.

A vitória levou o Fla ao topo da tabela, com seis pontos, um a mais que a Católica, que arrancou o empate em Santiago depois de ter saído atrás no placar. O representante paranaense vem em terceiro lugar, com quatro, enquanto o 'Ciclón' soma apenas um ponto.

Os dois times brasileiros voltarão a se enfrentar no próximo dia 26, desta vez na Arena da Baixada, em Curitiba. O campeão continental de 1981 ganhou uma preocupação para esse compromisso, Diego, que teve de ser substituído devido a um problema de joelho e pode ter de ficar afastado dos gramados por um período mais longo.

O Flamengo não pôde contar com o volante Rômulo nem com o meia-atacante Everton, ambos machucados, além do atacante Berrío, que foi expulso contra a Universidad Católica e terá de cumprir três partidas de suspensão.

Para piorar, de última hora, Zé Ricardo perdeu Mancuello, que atuaria na esquerda do ataque, mas sentiu um problema estomacal. A alternativa foi adiantar Trauco e escalar Renê na lateral esquerda.

No Atlético, os atacantes Felipe Gedoz e Pablo foram desfalques por estarem suspensos, enquanto o volante Otávio e o meia Carlos Alberto ainda se recuperam de lesões.

Os donos da casa começaram com tudo e abriram o placar logo aos seis minutos de partida. No entrosamento entre peruanos, Trauco lançou Guerrero, que ganhou da defesa e tentou encobrir Weverton. O goleiro até conseguiu interceptar, mas o próprio centroavante ganhou no alto de Thiago Heleno no rebote e completou para o gol.

A vantagem mínima não foi capaz de acomodar o Fla, que marcou o segundo aos 15. Willian Arão desceu pela direita e, na entrada da área, rolou para trás. Trauco não conseguiu finalizar, mas Diego recolheu e acertou o ângulo direito para fazer 2 a 0.

Tentando mostrar que o Furacão estava vivo no confronto, Nikão limpou pela direita e arriscou de longe, exigindo a primeira intervenção de Muralha, aos 17 minutos. No entanto, quem dominava era mesmo o campeão continental de 1981, e Diego quase fez mais um aos 26, em chute de longe que acertou o travessão.

O camisa 10 da Gávea estava mesmo inspirado, e colocou Guerrero na cara do gol aos 34. O atacante invadiu a área e bateu de pé esquerdo, mas não colocou muita força, e Weverton pegou em dois tempos.

Na tentativa de reduzir ainda antes do intervalo, Lucho González fez a enfiada buscando Eduardo da Silva. Bem marcado, o ex-jogador do Flamengo pouco aparecia, e desta vez perdeu para Muralha, que saiu bem e segurou.

Logo com um minuto no segundo tempo, Guerrero recebeu mais uma na área e bateu por cobertura, mas Weverton segurou sem problemas. O lance passou a falsa impressão de que o time carioca continuaria em cima, mas isso não aconteceu.

O Atlético foi ganhando terreno e reduziu a diferença aos 13 minutos. Jonathan driblou na meia direita e tocou para Lucho, que abriu na direita para Douglas Coutinho. O atacante tocou por baixo para o centro da área, a bola passou por Muralha e ficou limpa para Nikão completar para o gol.

Além da vantagem, que ficou reduzida, o Fla teve de se preocupara também com as saídas de Gabriel e principalmente Diego, que pediram para sair devido a problemas físicos. Um dos escalados foi Marcelo Cirino, que entrou contra o ex-time e, logo no primeiro toque na bola, chutou cruzado da direita, aos 26. A defesa bloqueou e cedeu escanteio.

A torcida da casa prendeu a respiração aos 32 minutos, quando Thiago Heleno deu um bico para frente e Willian Arão foi traído pelo quique da bola. Nikão tocou na esquerda da área para Luiz Otávio, que chutou rasteiro. Muralha segurou.

Cirino foi bem contra um adversário que lhe é bastante familiar. Aos 38, girou com estilo em cima de Sidcley e cruzou rasteiro procurando Guerrero, que dividiu com o Weverton e perdeu. O goleiro campeão olímpico no ano passado defendeu firme por baixo.

O fim de jogo foi tenso. O Atlético tentava empatar do jeito que dava e até balançou a rede, aos 45, mas o lance foi invalidado. Jonathan cruzou e, depois de desvio, Nikão completou para o gol, mas foi flagrado em posição irregular, e o Flamengo pôde comemorar mais uma vitória.


Ficha técnica:.

Flamengo: Muralha; Pará (Cuéllar), Donatti, Réver e Renê; Márcio Araújo e Willian Arão; Gabriel (Marcelo Cirino), Diego (Matheus Sávio) e Trauco; Guerrero. Técnico: Zé Ricardo.

Atlético-PR: Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Deivid (Luiz Otávio), Matheus Rossetto, Lucho González (João Pedro) e Nikão; Douglas Coutinho e Eduardo da Silva (Grafite). Técnico: Paulo Autuori.

Árbitro: Wilson Lamourox (Colômbia), auxiliado pelos compatriotas Wilmar Navarro e Dionisio Ruiz.

Cartões amarelos: Donatti e Pará (Flamengo); Paulo André (Atlético-PR).

Gols: Guerrero e Diego (Flamengo); Nikão (Atlético-PR).

Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. EFE


Leia também