Respiradores doados por Messi para salvar vítimas da Covid-19 estão retidos há 10 meses em aeroporto

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.


Uma doação da fundação de Lionel Messi para salvar vítimas da Covid-19 na Argentina está parada em um aeroporto há cerca de 10 meses. A instituição do craque, eleito seis vezes como o melhor jogador do mundo, havia enviado para a cidade de Rosário 32 aparelhos respiratórios, porém, por dificuldades burocráticas, o governo local não autoriza a liberação dos respiradores.

+ TABELA: Confira os resultado dos jogos desta semana na Copa do Brasil

+ Começou o Brasileirão! Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

- Os respiradores são equipamentos técnicos de ventilação, chegaram no mês de agosto (de 2020). Estão guardados da melhor maneira no Aeroporto Internacional Rosario Islas Malvinas. Toda esta questão está pendente da aprovação da Anmat (Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica) porque é uma doação da Fundação Messi diretamente à Rosário. O único órgão que pode autorizar a entrada é a Anmat - explicou Eduardo Romagnoli, diretor da instalação, ao canal TN.

+ Arboleda em festa clandestina: veja atletas que aprontaram na quarentena

A Fundação Leo Messi enviaria para a cidade natal do jogador ao menos 50 respiradores, contudo, a dificuldade pela autorização nos 32 primeiros adiou o envio dos restantes. Segundo pessoas da Anmat, ao jornal "La Capital", não autorizaram a entrada por "não apresentaram a documentação necessária". Antes disso, a mesma instituição havia doado equipamentos médicos para os tratamentos do coronavírus para Buenos Aires e cidades próximas. Daquela vez, não houve impasse legal.

O país sul-americano segue registrando aumentos de casos e de mortos em decorrência da doença. A realização da Copa América chegou a ser cancelada. Cerca de 83 mil pessoas já foram vítimas fatais da Covid-19. País que defende a vacinação internacional, a Argentina segue imunizando seus cidadãos. Nesta quarta-feira, a região anotou a marca de quatro milhões de casos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos